Quarta, 29 Julho 2015 18:55

Será nesta sexta-feira (31), às 17 horas, na Sede do Sindipetro PR e SC (R. Lamenha Lins, 2064, Rebouças - Curitiba).

Terça, 28 Julho 2015 19:23

A Câmara de Vereadores de São Mateus do Sul, cidade sede da Superintendência do Xisto (SIX), realizou na noite da última segunda-feira (27) uma solenidade especial para a instauração da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás no município.

O presidente do Sindipetro Paraná e Santa Catarina, Mário Alberto Dal Zot, e os representantes do Sindiquímica-PR, Paulo Rodrigo Antunes da Silva e João Celso de Lima, discursaram durante a sessão de lançamento da Frente. “A Petrobrás passa por uma sucessão de ataques com o objetivo de sujar sua imagem perante a opinião pública e, assim, diminuir seu potencial de crescimento e desenvolvimento. Isso está comprovado no novo Plano de Negócios e Gestão, que prevê venda de ativos de patrimônio e redução de investimentos. A situação é agravada pelos entreguistas, como o senador José Serra (PSDB/SP), que aproveita o momento para apresentar um Projeto de Lei (PLS 131/2015) que retira da Petrobrás o direito de ser operadora exclusiva na área do pré-sal”, destacou Dal Zot.

Durante a solenidade foi construída a Carta de São Mateus do Sul. O documento sai em defesa da companhia e contra a redução da empresa ou de seus investimentos. “Como brasileiros defendemos a Petrobras. Não aceitamos que a pretexto de combater a corrupção, fruto das investigações da operação Lava Jato, se proponha o encolhimento de investimentos na empresa e a venda de ativos ou parte do controle acionário de suas subsidiárias, como a BR Distribuidora e a Petrobrás Transporte – Transpetro”, diz a Carta.

O documento ainda traz o compromisso da Câmara de Vereadores na defesa das unidades da Petrobrás na região. “Nós sabemos o quanto a Petrobras, suas unidades operacionais Petrosix-Usina do Xisto e a Fábrica de Fertilizantes FAFEN-PR, no Paraná, são importantes para o desenvolvimento regional, e por isso, a Câmara Municipal de São Mateus do Sul se soma nesta defesa, por entender que ‘Defender a Petrobras é Defender o Brasil’ e ‘Defender a Usina do Xisto é Defender São Mateus do Sul’”.

Todos os vereadores de São Mateus do Sul presentes na solenidade ratificaram a Carta.

Confira a íntegra do documento:

CARTA DE SÃO MATEUS DO SUL

A Petrobras é um patrimônio de inestimável valor econômico e social ao povo brasileiro. Fruto da grande campanha cívica "O petróleo é nosso", da década de 50, ela afirmou-se como uma das maiores e mais qualificadas empresa petrolífera do mundo.
 
Como brasileiros defendemos a Petrobras. Não aceitamos que a pretexto de combater a corrupção, fruto das investigações da operação Lava Jato, se proponha o encolhimento de investimentos na empresa e a venda de ativos ou parte do controle acionário de suas subsidiárias como BR Distribuidora e a Petrobrás Transporte - TRANSPETRO.
 
Ao mesmo tempo, rejeitamos o fim da Lei de Partilha (12.351/2010), que criou regras para a exploração do pré-sal, dando à Petrobras a condição de operadora única destas reservas e sua participação mínima de 30% nos campos licitados. É a regra de partilha que cria o Fundo Soberano para investimentos sociais em saúde, educação, reforma agrária, energias alternativas para que substituir o petróleo quando ele se esgotar, etc. Voltar ao regime de concessões às multinacionais privadas seria retirar do povo a garantia de que a riqueza produzida pelo pré-sal seja revertida em favor dos brasileiros.
 
Nós sabemos o quanto a Petrobras, suas unidades operacionais Petrosix-Usina do Xisto e a Fábrica de Fertilizantes FAFEN-PR, no Paraná são importantes para o desenvolvimento regional, e por isso, a Câmara Municipal de São Mateus do Sul se soma nesta defesa, por entender que “Defender a Petrobras é Defender o Brasil” e “Defender a Usina do Xisto é Defender São Mateus do Sul”.



Sexta, 24 Julho 2015 20:15

Na próxima segunda-feira (27) acontece o lançamento da Frente Parlamentar Municipal em Defesa da Petrobrás em São Mateus do Sul. Na oportunidade, o presidente do Sindipetro Paraná e Santa Catarina, Mário Alberto Dal Zot, fará uma exposição sobre os ataques à estatal.

 

O evento acontece a partir das 19h00, na Câmara de Vereadores de São Mateus do Sul. O Sindipetro PR e SC convoca todos os petroleiros da Usina do Xisto e seus familiares para participarem do lançamento.

Sexta, 24 Julho 2015 19:43

Os petroleiros do Paraná e Santa Catarina atenderam à convocação da FUP e foram à luta nesta sexta-feira (24), Dia Nacional de Paralisação.Os trabalhadores do Sistema Petrobrás realizaram uma greve de 24 horas para protestar contra o novo Plano de Gestão e Negócios aprovado pelo Conselho de Administração da Petrobrás no mês passado. A categoria entende que o novo plano é uma ameaça clara à sobrevivência da empresa como estatal, na medida em que prevê cortes de US$ 89 bilhões em investimentos e despesas, além da venda de ativos de patrimônio da ordem de US$ 57 bilhões.

 

O plano prevê que entre 2015 e 2019 a carteira de investimentos terá redução de 37% em relação ao planejamento anterior e priorizará projetos de exploração e produção (E&P) de petróleo no Brasil, com ênfase no pré-sal. Do total (US$ 130,3 bilhões), 83% serão destinados à área de Exploração e Produção. O setor de abastecimento receberá 10% dos recursos previstos e o de gás e energia 5%. As demais áreas terão apenas 2% do orçamento.

 

A greve nacional de 24 horas é uma advertência da categoria à atual política da gerência que pode desmantelar o Sistema Petrobrás, colocando em risco milhares de empregos, especialmente os dos terceirizados da companhia e suas subsidiárias.

 

Ainda consta na pauta da paralisação a luta contra o Projeto de Lei do Senado 131/2015. De autoria do senador José Serra (PSDB/SP), a medida tem o objetivo de retirar da Petrobrás o direito de ser operadora única do pré-sal, com o mínimo de 30% de participação do consórcio de exploração dos blocos petrolíferos.

 

Os petroleiros de todo país aprovaram o estado de greve e a assembleia em caráter permanente, o que significa que a qualquer momento um movimento por tempo indeterminado pode ser deflagrado.

 

 

Confira o quadro da greve no Paraná e Santa Catarina

 

Repar/Fafen – A greve começou a zero hora de sexta-feira com o corte de rendição do turno. Pela manhã, militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), da CUT e de outros movimentos sociais e estudantis ajudaram na mobilização. Não houve a rendição dos turnos das 07h30 e 15h30.

 

SIX – A greve começou a zero hora de sexta-feira, com adesão 100% do turno e 30% do administrativo. Os cortes de rendição também não aconteceram às 07h30 e às 15h30.

 

Tepar – A paralisação começou a zero hora desta sexta-feira com o corte de rendição do turno. Pela manhã, os trabalhadores do regime administrativo também aderiram ao movimento, que contou com mais de 90% de participação da categoria, inclusive de terceirizados. A maior parte das atividades do Terminal foi paralisada. O protesto contou com o apoio de dirigentes de outros sindicatos de Paranaguá.

 

Tejaí – O movimento começou às 06h00, com adesão de 90% dos trabalhadores próprios. Participaram cerca de 20 militantes do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) que saíram de Chapecó e cruzaram o estado de Santa Catarina para dar apoio à greve dos petroleiros.