Zenith Forex carreira Jack Daniels Melhor Forex Estratégia Forex trading para ganhar dinheiro Sistema de trade de liberalização Análise do Mercado Forex PDF Forex Mundo Cargo Filipinas Truques de negociação de opções bacanas Swing Forex Estratégia Como as Forex Centrum Forex Taxa de câmbio Dia Trading Forex Live YouTube forex utah. O leilão de swap forex é Opções binárias Rich Forex Trading. NBAD Forex Trading. Ponto Pivot Opções binárias Trading Strategy Videos Estratégia de negociação de jacaré Você tem sistema de Forexchange grupo forex Opções binárias S & P 500 Bangladesh Negociação multi estratégia Indicador de Alerta de Bollinger Bands MT4 Terminologia Forex para iniciantes PDF Forex Broker Killer 1 minuto Estratégia Barclays Zâmbia Forex. Data de Banco Estadual da Índia Forex Ramos Pune man Aprenda Forex Negociar software de sistema de negociação automática state dating laws in Sint Genesius Rode Belgium speed dating central Natal Brazil ヒマラヤ外国為替プライベートリミテッドリミテッド toerana hookup Antsirabe Madagaskar
Mostrando itens por tag: xisto
Segunda, 25 Abril 2016 19:37

Nº 1369

Segunda, 11 Abril 2016 19:03

Nº 1368

Segunda, 28 Março 2016 17:51

Nº 1367

Quinta, 10 Março 2016 20:38

O verde e amarelo presente nas peças publicitárias da campanha “O Xisto Não Pode Parar” estão colorindo São Mateus do Sul, cidade onde está localizada a Usina do Xisto (SIX). Outdoors, faixas e adesivos estão espalhados pelo município. Tudo para mobilizar a população na luta pela continuidade das operações e ampliação do potencial produtivo da SIX.

 

E não poderia ser diferente! Os dados comprovam que a Usina está direta ou indiretamente ligada à vida de cada cidadão são-mateuense. A unidade emprega mil trabalhadores diretos e outros três mil indiretos. Isso em município de 45 mil habitantes. Estima-se que a existência da unidade traga alguma forma de renda para pelo menos um terço da população são-mateuense.

 

Nas contas públicas, os números são ainda mais expressivos. A SIX gerou no ano passado R$ 98 milhões em impostos e royalties. A Prefeitura de São Mateus, que ficou com uma fatia de R$ 20 milhões, tem nos impostos originados pela Usina a metade de sua arrecadação total. Além disso, várias empresas que tem atividades econômicas relacionadas com a Usina do Xisto estão instaladas na cidade e geram emprego e renda para a população.

 

Por isso é tarefa de todos o engajamento na luta em defesa da Usina, patrimônio da Cidade, do Estado e do País. Apenas a ação organizada pode garantir a continuidade das atividades e os investimentos necessários para aumentar o potencial produtivo da Unidade frente à política de desinvestimentos adotada pela Petrobrás, empresa proprietária da SIX.

 

O desafio agora é ampliar cada vez mais a campanha em São Mateus do Sul e no Paraná. Por isso, a Frente em Defesa da Usina do Xisto estuda novas ações para conquistar novas adesões. Todos podem ajudar nesta campanha, conversando sobre a importância da SIX com seus amigos, familiares e vizinhos, além de colocar os materiais em sua residência e veículo, bem como divulgar no bairro. Faixas e adesivos estão disponíveis no Comitê, que fica junto à Sede Regional do Sindipetro Paraná e Santa Catarina.

 

:: Serviço
Comitê da Frente em Defesa da Usina do Xisto
Endereço: R. Paulino Vaz da Silva, nº 535, próximo à Igreja
Tel: (42) 3532-1442
Materiais disponíveis: faixas e adesivos

Quarta, 09 Março 2016 20:15

A campanha “O Xisto Não Pode Parar” segue com agenda intensa. Na semana passada, representantes dos trabalhadores da Usina do Xisto estiveram em Brasília para dialogar com personalidades políticas sobre a importância não apenas de manter as operações da unidade industrial, mas também de estimular sua capacidade produtiva para impulsionar a viabilidade econômica.

 

O foco da viagem à capital federal foram as reuniões no Ministério de Minas e Energia. Os trabalhadores dialogaram com o secretário da pasta de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis, Marco Antônio Martins Almeida, e o secretário-adjunto, João José de Nora Souto. O rol de potenciais atividades econômicas da Usina chamou a atenção dos membros do Ministério. Além de produzir óleo combustível, nafta, gás combustível, gás liquefeito e enxofre, e ainda produtos que podem ser utilizados nas indústrias de asfalto, cimenteira, agrícola e de cerâmica, a SIX desenvolveu fertilizantes para a indústria agropecuária, derivados para indústria petroquímica e também faz o processamento do lastro, um resíduo de reservatórios de petróleo e derivados que requer destinação ambientalmente correta e que tem alto custo.

 

Em Brasília, os trabalhadores da SIX também tiveram reuniões no Ministério do Desenvolvimento Agrário. A comercialização dos sub-produtos do processo, como a água de xisto, que gera fertilizantes para a agricultura, despertou o interesse das autoridades do Ministério. 

 

Ainda durante a viagem, os trabalhadores participaram de audiência no Congresso Nacional sobre a defesa da Petrobrás como empresa pública e indutora do desenvolvimento econômico e social do país.

Sexta, 19 Fevereiro 2016 17:25

Nº 1366

Segunda, 25 Janeiro 2016 13:37

Nº 1364

Segunda, 18 Janeiro 2016 18:10

A informação de que foi criado um Grupo de Estudo na Petrobrás para avaliar a viabilidade econômica da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX) causou alvoroço entre os trabalhadores e a sociedade são-mateuense diante do temor de encerramento das atividades.

A conjuntura do setor petróleo, com o barril sendo negociado no mercado internacional abaixo dos US$ 30, confirma o risco, mas na verdade ele sempre existiu pelo fato de a Usina do Xisto ser um projeto estratégico e de pesquisa avançada, ou seja, atua em uma área que vislumbra mais o desenvolvimento de tecnologias do que o retorno econômico.

Em uma visão estritamente imediatista, financeira e mercadológica, a SIX não está sendo rentável no cenário atual, mas pode recuperar a sua lucratividade com uma leve retomada do preço do barril. No entanto, por ser um projeto estratégico, não pode ficar à mercê da instabilidade do mercado financeiro. A Usina do Xisto é um centro avançado de pesquisa na área de refino, onde são desenvolvidos vários projetos em conjunto com o centro de pesquisa da Petrobrás (cenpes) e universidades. O parque tecnológico da SIX é o maior da América Latina e um dos maiores do mundo em plantas-piloto, composto por 15 unidades criadas para atender as necessidades dos variados processos de refino.

A partir da notícia do Grupo de Estudos, o Sindipetro Paraná e Santa Catarina buscou mais informações junto ao representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás, à diretoria executiva da empresa e à diretoria de abastecimento. A resposta que veio de todas essas instâncias da estatal é de que não há posição oficial, tampouco conclusiva. Contudo, isso não representa menos preocupação. O Sindicato se mantém atento e vai buscar o diálogo sobre o caso diretamente com a direção executiva da Petrobrás. A manutenção das atividades da SIX será defendida a partir da grande conquista da greve de novembro passado, que foi o reconhecimento da Pauta pelo Brasil, a qual prioriza o futuro da Petrobrás enquanto empresa estatal estratégica para a soberania energética brasileira, em contraponto ao aspecto financeiro imediatista e meramente mercadológico.

A luta em defesa da SIX deve ter os trabalhadores próprios e terceirizados e a sociedade são-mateuense como protagonistas. A mobilização de todos é a nossa principal arma nesta batalha. O que preocupa o Sindicato é o oportunismo que apareceu neste momento. Políticos, alguns inclusive vinculados a partidos que pregam a privatização da Petrobrás, apareceram para tentar implantar o caos em torno desta questão para depois pousarem de salvadores da pátria. Ano eleitoral tem dessas coisas. Fato é que até agora não existe posição oficial, mas o Sindipetro está vigilante e atuante com relação às ameaças contra o Projeto SIX. A luta está em nossas mãos, trabalhadores e sociedade organizada.


Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro