Mostrando itens por tag: petrobras
Terça, 25 Agosto 2015 20:21

Na manhã desta terça-feira, 25, a direção da FUP e seus sindicatos filiados realizaram um ato em frente ao edifício sede da Petrobrás, no Rio de Janeiro, contra o plano de gestão e negócios da empresa, pela garantia de empregos e, em apoio ao representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás, Deyvid Bacelar, que tem sofrido assédio e cerceamento em sua atuação na maior instância de decisão da estatal.

A Federação repudia todas as investidas contrárias às atividades e publicações do conselheiro em qualquer tipo comunicação com os trabalhadores que o elegeram.

 

"Infelizmente há um processo de desgate da representação dos trabalhadores e trabalhadoras no Conselho de Administração da Petrobrás, devido à transparência que demos às atividades e decisões do conselho, desde que ocupamos esta vaga. Transparência através das publicações do nosso blog, site e nossos informativos eletrônicos, que cada traabalhador e trabalhadora vem recebendo nos últimos meses. Isso tem causado uma certa indignação dos gestores dessa grande companhia, porque os mesmos, infelizmente, ainda querem tratar algumas questões como sigilosas, que devem constar apenas dentro de uma  caixa preta, sem ser revelada aos trabalhadores e à sociedade brasileira. É claro que tomamos o cuidado antes de divulgar qualquer fato, episódio ou deliberação tomada no C.A, respeitando a legislação brasileira e as normas internas da companhia, Por isso, aguardamos a divulgação dos fatos relevantes que a empresa comunica ao mercado. Mas mesmo assim, alguns gestores estão muito revoltados pelo fato de fazermos uma melhor comunicação com a categoria petroleira. E isso, de forma alguma, nós deixaremos de fazer, pois o compromisso assumido pela Federação Única dos Petroleiros e, por mim, trabalhador eleito por vocês, companheiros, além de levar as nossas demandas para a maior instância de decisão da empresa,  é o de fazer uma comunicação mais transparente e eficaz com vocês", afirmou o representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás, Deyvid Bacelar, antes de iniciar sua participação na reunião do C.A, que acontece durante todo o dia de hoje.

 

Clique aqui para assistir ao vídeo publicado na página da FUP no Facebook, durante o ato realizado nesta manhã no Edise.

Fotos [Tezeu Freitas]

Fonte: FUP

Segunda, 24 Agosto 2015 18:31

Nº 1354

Segunda, 17 Agosto 2015 14:57

Nº 1353

Segunda, 10 Agosto 2015 14:57

Sindipetro ainda faz orientações à categoria sobre possíveis questionamentos com relação à frequência

Sexta, 07 Agosto 2015 15:12

Para defender o patrimônio do povo brasileiro, petroleiros irão novamente à greve!

Quarta, 05 Agosto 2015 18:34

Nº 1352

Quarta, 05 Agosto 2015 18:10

A maioria dos grandes aeroportos do país amanheceu na terça-feira (04) com bandeiras vermelhas da FUP e de seus sindicatos filiados. Os petroleiros mais uma vez organizaram protestos nos principais terminais de aviação para pressionar os parlamentares e sensibilizar a população sobre os riscos que o plano de desinvestimentos da Petrobrás e o Projeto de Lei do Senado Nº 131/2015, de autoria de José Serra (PSDB/SP), que retira o direito da Petrobrás ser a operadora exclusiva do pré-sal, trazem para o país.

 

No aeroporto internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, cidade da região metropolitana de Curitiba, dirigentes do Sindipetro Paraná e Santa Catarina e militantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) organizaram a manifestação. No entanto, o grande ato foi mesmo em Brasília-DF, onde o Conselho Deliberativo da FUP está reunido durante toda esta semana para definir os próximos passos da campanha “Defender a Petrobrás é Defender o Brasil”. No terminal da capital federal, os petroleiros receberam os parlamentares com faixas e cartazes contra o PLS 131. O único incidente foi provocado pelo senador Aloysio Nunes, correligionário de José Serra, que tentou fugir da manifestação, mas foi confrontado pelos militantes da FUP. Muito irritado, Aloysio Nunes preferiu xingar os trabalhadores do que debater e argumentar.

 

O presidente do Sindipetro PR e SC, Mário Alberto Dal Zot, participa da reunião do Conselho Deliberativo da FUP e estava presente na manifestação em Brasília. “O que os parlamentares da direita querem é entregar o nosso petróleo às multinacionais. É um absurdo, um verdadeiro crime de lesa-pátria, tirar a Petrobrás do pré-sal”, afirmou.  

 

Conselho Deliberativo

A reunião do Conselho Deliberativo da FUP prossegue até sexta-feira (07) com diversas atividades e debates que definirão as novas estratégias de luta da categoria para barrar a venda de ativos em curso na empresa e que significará a desintegração do Sistema Petrobrás.

 

A avaliação da greve no último dia 24 foi positiva, mas os membros do Conselho apontaram a necessidade de um movimento mais contundente para barrar os desinvestimentos da Petrobrás. Ao final do encontro será divulgado um novo calendário de lutas e os rumos da campanha reivindicatória da categoria. 

 

 

Segunda, 03 Agosto 2015 20:41

O dia 16 de julho de 2000 está marcado na memória do povo paranaense, em especial na dos trabalhadores petroleiros. Naquela data, um vazamento de proporções gigantescas derramava óleo que seria refinado na Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária.

 

No total, quatro milhões de litros de petróleo cru vazaram de um duto e contaminavam os rios Barigui e Iguaçu. O episódio caracterizou-se como o maior desastre ambiental do Paraná e um dos maiores da história da Petrobrás e do Brasil, juntamente com os acidentes do afundamento da Plataforma P-36 (15/03/2001) e do vazamento de 1,3 milhão de litros de óleo combustível nas águas da Baía de Guanabara (18/01/2000), ambos no Rio de Janeiro. Essa série de sinistros, perfeitamente evitáveis, deixou evidente o sucateamento que a Petrobrás sofreu ao longo do período dos governos neoliberais de Fernando Henrique Cardoso, cuja intenção era privatizar a estatal petrolífera.

 

Para marcar os 15 anos aquele grave acidente, o Sindipetro Paraná e Santa Catarina, em parceria com o escritório Sidnei Machado Advogados Associados, inaugurou na última sexta-feira (31/07) o Memorial às Vítimas do Vazamento nos Rios Barigui e Iguaçu. Uma parede do auditório da entidade foi preparada para receber imagens de diferentes pessoas e dos impactos na fauna e flora causados pelo acidente. “Foi tudo socialmente construído. É uma política de gestão que levou a acontecer àquela série de acidentes. Esse evento é importante por conta de lembrarmos para não deixarmos que volte a acontecer”, frisou Mário Dal Zot.

 

O advogado Sidnei Machado, assessor jurídico do Sindicato, ressaltou as vertentes do evento. “A meu ver, o primeiro significado é de resistência. Estamos aqui, 15 anos depois, para dizer que naquele episódio, apesar da tragédia, houve o sindicato, os dirigentes, algumas autoridades, pessoas que se envolveram e fizeram denúncias, resistiram. Essas pessoas precisam ser lembradas e dar voz a elas para que essa história seja recomposta. Nesse sentido, o Sindicato foi uma vanguarda, porque já no primeiro momento buscou denunciar às autoridades, registrar o evento e ajudar os companheiros. Fez o que um sindicato que tem uma trajetória forte na questão de saúde e segurança dos trabalhadores faria, mas foi além porque envolveu não apenas trabalhadores diretos, mas terceirizados. A segunda dimensão importante é a memória às vítimas. À época os jornais deram uma cobertura imensa, com ênfase em suas primeiras páginas para os danos ambientais, mas as pessoas que foram atingidas lamentavelmente não tiveram a devida importância e o espaço naquele momento. Dentre essas vítimas, houve várias dimensões. Desde aqueles que foram punidos indevidamente em função do vazamento, com advertências, suspensões e alguns casos até de demissão. Também foram vítimas aqueles que foram ameaçados durante o processo de apuração as causas do acidente. E, claro, vítimas aqueles que sofreram consequências à saúde ocupacional”, registrou Machado.

 

Hélio Seidel era presidente do Sindicato na época do vazamento e fez um relato detalhado do caso. “Era um domingo e eu estava em casa com meus familiares quando recebi um telefone do gerente geral da refinaria. Logo em seguida liguei para o Ferreira e nós fomos para a refinaria. Chegando lá, vimos marcas de óleo e pegadas por todo lado. No dia seguinte, a refinaria montou um esquema de guerra, parecia um quartel. Tinha campo para três ou quatro helicópteros que ficavam subindo e descendo sem parar”. Seidel lembrou as imprudências da empresa em relação à admissão de pessoal. “A contratação de trabalhadores era feita sem critérios. Não havia exame admissional, simplesmente pegavam o trabalhador, davam uma canequinha e mandavam catar óleo lá no mato. Esse foi basicamente o processo. Outra situação que pegamos foi que a maioria dos trabalhadores era demitida ao sétimo dia para não precisar registrar. Havia um precedente na legislação que permitia isso. Depois contratavam uma nova leva de trabalhadores”.

 

O ex-presidente do Sindipetro ressaltou a situação de Juracir. “Poucos dias depois do acidente a gente conheceu o Juracir, que apareceu aqui junto com outros colegas se queixando de dor de cabeça. O Ferreira o encaminhou de imediato ao Hospital do Trabalhador. Foi um processo triste na medida em que a gente via a Petrobrás não oferecer a resposta adequada aos casos de adoecimento. Pior ainda foi um médico da empresa na época apresentar um laudo onde dizia que a causa das doenças vinha de um vírus selvagem. De qualquer forma, a empresa não tinha como fugir da responsabilidade, uma vez que os trabalhadores foram demitidos sem exame demissional, ou seja, não havia nenhum controle naquele processo. Depois houve uma luta grande para acertar a situação dos adoecidos, principalmente do Juracir”, afirmou Seidel.

 

Juracir Francisco da Silva é uma das vítimas do vazamento de 2000. Após trabalhar por nove dias sem proteção adequada, desenvolveu uma série de doenças e chegou a ficar paraplégico. Bastante emocionado, disse apenas algumas poucas palavras. “Eu não sei nem o que dizer. Se tivesse citar nomes e agradecer pessoas, talvez não saíssemos daqui hoje. Se não fossem os companheiros do Sindipetro, talvez não seria só o Marconedes (trabalhador já falecido em função de doenças desenvolvidas pelo contato com o petróleo), o Juracir também não estaria aqui. É difícil falar. Só quem sabe é quem passou e quem acompanhou. Eu devo muito a todos vocês”.

 

Ao retomar a palavra, o presidente do Sindipetro Paraná e Santa Catarina fez questão de lembrar do companheiro Jaime Ferreira, dirigente sindical e militante da causa da saúde do trabalhador que atuou com firmeza no vazamento, falecido em 2008. “Ferreira foi um amigo do Juracir. Em vários momentos que a gente conviveu, mesmo depois de adoecer, ele sempre fazia questão de lembrar-se do Juracir. Era uma questão de honra para o Ferreira. Infelizmente ele não pegou o final do processo, onde comprovou o nexo causal, mas ele foi sempre um defensor da causa da saúde do trabalhador”, disse Mário.

 

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro