Image not available
Image not available
Mostrando itens por tag: petrobras
Quinta, 18 Setembro 2014 20:04

Conforme determinação das assembleias realizadas entre os dias 27 e 29 de agosto, o Sindipetro Paraná e Santa Catarina vai ingressar com ação judicial para seus associados a fim de pleitear o tempo dispensado maior que a jornada normal de 8 horas, com compensação ou não, para os trabalhadores sindicalizados que estão no regime administrativo.

Diante disso, o Sindicato convoca todos os trabalhadores enquadrados nessa situação para preencherem os formulários de habilitação na ação e o contrato de honorários advocatícios.

Os documentos devem ser solicitados através do e-mail [email protected] e podem ser entregues na Sede do Sindicato de Curitiba, regionais sindicais de Joinville, Paranaguá e São Mateus do Sul ou ainda para os dirigentes sindicais. Fique atento! O prazo final é 31 de outubro.

:: Serviço
• Habilitação na ação de compensação de horas/banco de horas – exclusivo regime administrativo
• Solicitar documentos a serem preenchidos pelo e-mail [email protected]
• Entregar em qualquer sede do Sindicato ou para os dirigentes sindicais
• Prazo final para entrega: dia 31 de outubro

Quinta, 18 Setembro 2014 15:53

Na madrugada desta quinta-feira, 18, ocorreu um acidente na Unidade Operacional da Petrobrás no Espírito Santos, no município de Linhares, onde mais um trabalhador terceirizado perdeu a vida devido à insegurança da empresa. Sidnei Vieira Messias, de 44 anos, era casado, tinha dois filhos e trabalhava como operador de sondas terceirizado, da empresa Tuscany, que presta serviços à Petrobrás no estado.

Segundo informações preliminares do Sindipetro -ES, o acidente aconteceu na Sonda 128, às 3h20 da manhã. O trabalhador, ao executar a manobra de descida de uma coluna de perfuração, foi atingido por um estabilizador de aproximadamente 9 metros de cumprimento, pesando uma tonelada. A queda do estabilizador atingiu o operador no torax, causando fratura as costelas que perfuraram o pulmão. Ainda, segundo o sindicato, o trabalhador acidentado recebeu os primeiros socorros no Hospital de Linhares e, logo após foi tranfesrido de helicóptero, ao hospital de Vitória, onde faleceu.

O Sindipetro -ES está buscando mais informações para confirmar se o acidente foi causado por uma falha de operação e também participará da comissão oficial de investigação do acidente.

Este já é o nono acidente no ano de 2014 e, o terceiro, em menos de quinze dias. Os dois últimos ocorreram no dia 09 e 10, no Paraná e em Duque de Caxias.

A FUP e seus sindicatos lamentam a perda de mais um trabalhador que prestava serviços à Petrobrás, se solidariza à familia e continuará cobrando com veemência, que a empresa mude a postura de "pouco caso" com a segurança da categoria.

Fonte: Imprensa FUP

Terça, 16 Setembro 2014 19:31

Nº 1335

Terça, 16 Setembro 2014 19:04

Nº 1334

Terça, 16 Setembro 2014 13:29

Logo pela manhã desta segunda-feira, 15, caravanas com petroleiros de vários estados do país e do interior do Rio de Janeiro ocuparam a Praça da Cinelândia, em frente à Câmara Municipal, com bandeiras vermelhas e faixas em defesa do pré-sal, da Petrobrás e do Brasil. O ato começou por volta das 10 horas, com cerca de cinco mil trabalhadores, estudantes e militantes dos movimentos sociais e partidos políticos do campo da esquerda.

Aos poucos, o ato foi enchendo e os manifestantes ocuparam também as escadarias do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Do alto do carro de som, as lideranças sindicais, estudantis e dos movimentos sociais davam seu recado, denunciando os ataques da direita contra a Petrobrás e o pré-sal. Representantes da FUP, dos sindicatos petroleiros, da CUT, CTB, UGT, MAB, MST, UNE, UBES, UEE, Levante Popular, movimento negro, movimento de mulheres e diversas outras entidades de luta denunciavam a campanha de Aécio e Marina de desmoralização da Petrobrás, com a intenção de preparar a privatização da empresa e do pré-sal.

Ao lado dos petroleiros uniformizados, misturavam-se metalúrgicos com os macacões dos estaleiros de Niterói, de onde saíram caravanas com cerca de dois mil operários em defesa do pré-sal e da Petrobrás, cujas encomendas recuperaram a indústria naval brasileira, que empregava pouco mais de sete mil trabalhadores em 2003 e hoje gera cerca de 80 mil empregos diretos e mais de 300 mil indiretos.

Pela Cinelândia, palco histórico de manifestações no Rio de Janeiro, circulavam bancários, professores, trabalhadores rurais, químicos e diversos estudantes e jovens, agitavam suas bandeiras, alegres, sem se deixar incomodar pelo sol escaldante e temperaturas acima de 37 graus. Quando a chegada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi anunciada, aplausos e gritos tomaram conta dos manifestantes.

Lula fez questão de vestir o uniforme de operário da Petrobrás, com seu nome gravado, e, ao lado do coordenador da FUP, José Maria Rangel, foi recebido pelos trabalhadores que, em passeata, seguiram junto com ele pela Rua Treze de Maio, em direção à Avenida Chile, onde fica localizada a sede da Petrobrás.

Na passarela, que liga o BNDES ao prédio da estatal, o ato já concentrava cerca de dez mil pessoas, eufóricas para ouvir Lula. Num palco armado de frente para a Petrobrás, o ex-presidente falou aos trabalhadores da empresa. "Eu fiz questão de colocar essa camisa da Petrobras, porque quando começa a acontecer denúncias da Petrobras, tem gente que fica com vergonha de usar essa camisa", ressaltou.

"Eu não acreditava que seria possível tiramos petróleo de sete mil metros de profundidade. Muita gente dizia que não tínhamos tecnologia, pois estamos hoje tirando mais petróleo que tiramos nos primeiros 31 anos da Petrobrás", destacou Lula. "A gente já tem petróleo e tem filho de pedreiro cursando universidade. Se a gente conseguiu fazer isso sem o petróleo, imagina o que faremos com os recursos do pré-sal", retrucou, mandando um recado direto para os petroleiros que acompanhavam seu discurso das janelas e saguões do Edise: "Os trabalhadores da Petrobrás não têm nenhuma razão pra não andar de cabeça erguida. Nenhum petroleiro pode estar com a auto-estima baixa".

O coordenador da FUP, José Maria Rangel, lembrou que o atual ministro do Tribunal de Contas da União, José Jorge, relator da investigação da compra da refinaria de Pasadena, era no governo de FHC ministro das Minas e Energia. "Foi na gestão dele que a P-36 afundou, que a Petrobrás promoveu a troca de ativos que resultou na entrega de 30% da Refap para a Repsol", ressaltou.

"Nós que estamos hoje nas ruas para defender a Petrobrás, o pré-sal e o Brasil, nós temos legitimidade, que poucos segmentos da sociedade têm", frisou José Maria, destacando para o presidente Lula que os petroleiros lutaram muito por um novo projeto de país. "Quando esse operário foi eleito, a nossa empresa caminhava para a entrega, a nossa empresa caminhava para ser privatizada, a nossa empresa tinha acabado de ter um acidente onde morreram 11 trabalhadores, onde afundaram uma plataforma", declarou, relembrando o acidente com a P-36, em março de 2001.

O coordenador nacional do MST, João Pedro Stédile, foi outra liderança nacional que falou aos petroleiros e manifestantes em frente à sede da Petrobrás. "A Petrobrás tem condições de explorar todo o petróleo que temos e viemos aqui para dizer para a dona Marina, que ela não tem direito nenhum de julgar ou de criticar o pré-sal, porque o pré-sal é do povo. E ela que se invente de botar a mão na Petrobrás que nós voltaremos aqui todos os dias para defender essa empresa que é nossa", ressaltou.

Também fizeram o uso da palavra o petroleiro Roni Anderson Barbosa, que falou pela CUT, o presidente nacional da CTB, Adilson Araújo, a presidente da UNE, Vic Barros, e José Eduardo Dutra, ex-presidente da Petrobrás e atual diretor corporativo e de Serviços da empresa. O ato foi encerrado por volta das 14 horas, ao som do hino nacional e com um abraço simbólico ao prédio da Petrobrás.

Fonte: Imprensa FUP

Sexta, 12 Setembro 2014 12:32

Reunido nesta quinta-feira, 11, no Rio de Janeiro, o Conselho Deliberativo da FUP avaliou a proposta salarial apresentada ontem pela Petrobrás e entendeu que o reajuste proposto pela empresa está muito aquém da reivindicação dos petroleiros e abaixo da média do que tem sido conquistado pelas demais categorias. Formado por representantes de todos os sindicatos filiados e pela direção da FUP, o Conselho indicou a rejeição da atual proposta e estabeleceu prazo até o dia 23 para que a Petrobrás apresente uma nova contraproposta.

A atual proposta de reajuste da empresa representa ganho real para os trabalhadores da ativa entre 0,79% e 1%, bem abaixo dos 5,5% reivindicados pelos petroleiros e da média conquistada pelas categorias que fecharam acordos no primeiro semestre. Estudo do Dieese com base em cerca de 400 negociações coletivas acompanhadas pelo órgão aponta que 45% das categorias que obtiveram ganhos reais conquistaram índices entre 1% e 2% acima da inflação e outros 20% garantiram de 2% a 3% de aumento.

A orientação do Conselho Deliberativo da FUP é de que os sindicatos realizem assembléias até o dia 19, com o indicativo de rejeição da proposta da Petrobrás. O prazo para que a empresa apresente uma nova contraproposta é dia 23 de setembro e no dia 24 será realizada uma nova reunião do Conselho para avaliar e definir os rumos da campanha salarial.

Fonte: FUP

Quinta, 11 Setembro 2014 18:56

Seis trabalhadores ficaram feridos após uma explosão na manhã desta quinta-feira (11), na Refinaria Henrique Laje (Revap), em São José dos Campos, no interior de São Paulo.

De acordo com o Sindicato da Construção Civil, o acidente aconteceu por volta das 11h40 na área de montagem da refinaria e deixou seis trabalhadores feridos. As vítimas seriam dois operários da própria refinaria da Petrobras e quatro funcionários de empresas terceirizadas.

Segundo o Corpo de Bombeiros, quatro vítimas foram levadas para o hospital Policlin e duas, que estariam em estado mais grave, foram encaminhadas para o pronto-socorro da Vila Industrial. O estado de saúde das vítimas não foi informado pelos hospitais até as 13h20.

O Corpo de Bombeiros informou que deslocou duas viaturas para o atendimento da ocorrência na Revap. Às 13h15, os Bombeiros permaneciam no local, mas a informação é de que o incêndio provocado após a explosão já havia sido controlado e não havia mais risco de explosões.

Procurada, a Revap ainda não havia se posicionado sobre o assunto até a publicação da reportagem.

Fonte: G1/globo.com

Leia também:

Mais dois trabalhadores morrem e gestores da Petrobrás agem como se nada tivesse acontecido

Quarta, 10 Setembro 2014 17:50

Desde que o Sindipetro alertou que estelionatários estão atuando contra os petroleiros do Paraná e Santa Catarina, quase que diariamente chegam novos relatos de golpes na categoria, principalmente em aposentados e pensionistas.

O modus operandi segue o mesmo. Telefonam de um número de Brasília (DDD 061) ou de Curitiba (DDD 041) e se identificam como funcionários da Petros ou advogados do Sindicato. Em seguida pedem que seja feito um depósito em determinada conta para liberar valores de reclamação trabalhista. Em alguns casos informam até o número da ação.

Fique atento, isso é um golpe! Em nenhuma situação é requerido dinheiro para liberar verbas de ações trabalhistas. Muito pelo contrário, quando o escritório que assessora o Sindicato entra em contato é para pagar valores de ações que tiveram êxito na Justiça.

Se isso acontecer com você, tente extrair o máximo de informações possíveis (nº da conta a qual pedem que seja efetuado depósito, telefone para contato, entre outros) e comunique o Sindicato. Também é prudente registrar boletim de ocorrência na Polícia. Em qualquer situação, jamais faça o depósito!

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro