Image not available
Image not available
Mostrando itens por tag: Sindipetro Paraná e Santa Catarina
Quarta, 22 Julho 2015 17:13

Um comunicado enviado pela Petrobrás à toda força de trabalho da companhia no início da noite de terça-feira (21) tenta desmobilizar a greve de 24 horas marcada para a próxima sexta-feira (24). O movimento dos petroleiros foi aprovado em assembleias na grande maioria das unidades do Sistema Petrobras e é fruto dos debates da V Plenária Nacional da FUP, onde se decidiu priorizar a pauta política de defesa da companhia contra o plano de desinvestimentos e venda de ativos anunciado pela empresa.

A categoria entende que a política de investimentos da empresa é a base de sustentação para que não ocorra um retrocesso nos avanços sociais do país, bem como nas melhorias salariais e de benefícios conquistadas na luta pelos petroleiros nos últimos anos.

Sob o pretexto de que os trabalhadores reflitam sobre “o momento que está enfrentando e o papel de cada um na defesa da imagem e na construção do futuro da companhia”, a direção da Petrobrás tenta defender seu Plano de Negócios e Gestão (PNG) 2015-2019, que foi aprovado pelo Conselho de Administração no dia 26 de junho. Porém, na nota enviada aos trabalhadores, a gestão comete uma grande gafe ao afirmar que o foco do PNG é  “a redução do nível de endividamento da companhia e o aumento da rentabilidade com geração de valor para os acionistas”.

É justamente contra isso que a categoria está em luta. A empresa não deve ser usada para garantir os lucros dos acionistas e do capital especulativo, mas sim para ser a mola propulsora do desenvolvimento econômico e social da nação.

A direção da Petrobras ainda tenta se omitir com relação à pauta da categoria, na qual é pleiteado que a empresa manifeste publicamente o interesse em ser operadora exclusiva do pré-sal. Ao invés disso, o comunicado diz que “a companhia não pode interferir nos debates políticos sobre mudanças na legislação brasileira. Como qualquer outra empresa, cabe à Petrobras cumprir a lei vigente”. A Petrobrás é uma empresa estatal e tem o direito de se posicionar com relação a mudanças na legislação do setor que venham a prejudicar suas operações.

Essa mensagem passa à categoria a certeza de que a direção da empresa prioriza os acionistas e o capital especulativo internacional em detrimento aos interesses de construção da pátria maior. Que o comunicado sirva de combustível na fogueira de nossa luta em defesa da Petrobrás e do Brasil.

Sexta, 17 Julho 2015 17:44

Para terminar bem a próxima semana e dar o recado à direção da Petrobrás, os petroleiros do Paraná e Santa Catarina fazem paralisação de 24 horas na próxima sexta-feira (24). O movimento foi aprovado por ampla maioria dos votos nas 21 sessões de assembleia realizadas pelo Sindipetro entre os dias 08 e 14 de julho.

As assembleias também aprovaram a pauta política em defesa da Petrobrás construída durante a 5ª Plenária Nacional dos Petroleiros. A categoria demonstrou consciência de que a política de investimentos da empresa é a base de sustentação para que não ocorra um retrocesso nos avanços sociais do país, bem como nas melhorias salariais e de benefícios conquistadas na luta pelos petroleiros nos últimos anos.

A Campanha Reivindicatória deste ano prioriza a luta pelo cancelamento do plano de desinvestimentos e venda de ativos, a recomposição do efetivo de trabalhadores próprios e a retomada das obras suspensas, como o Comperj, a Fafen-MS e parte da Refinaria Abreu e Lima (PE).

Quinta, 16 Julho 2015 19:20

Os petroleiros e petroleiras do Paraná e Santa Catarina estão empenhados na campanha “Defender a Petrobrás é Defender o Brasil”. A quarta (15) e quinta-feira (16) foram marcadas por protestos nas unidades da Transpetro nos dois estados da região Sul.

 

Os trabalhadores fizeram mobilizações com atraso na entrada no expediente/turno em duas horas nos terminais de Paranaguá (Tepar), Biguaçu (Teguaçu), Itajaí (Tejaí), São Francisco do Sul (Tefran) e Guaramirim (Temirim).

 

A campanha da categoria petroleira em defesa da Petrobrás tem o objetivo de lutar pelo cancelamento do plano de desinvestimentos e venda de ativos, recompor o efetivo de trabalhadores próprios e retomar as obras suspensas (Comperj, Fafen-MS, parte da Refinaria Abreu e Lima e as refinarias premium do Maranhã e do Ceará).

 

O ato no Tefran também lembrou a passagem dos 15 anos do maior acidente ambiental do Paraná. Em 16 de julho de 2000, 4 milhões de litros de petróleo poluíram os rios Barigui e Iguaçu a partir do vazamento de um duto que liga o Tefran à Repar. À época, a empresa tentou jogar a culpa nas costas dos trabalhadores ao divulgar que a causa foi decorrência de “erro humano e não cumprimento de normas operacionais”, quando, na verdade, o acidente foi reflexo da política de gestão que sucateava a empresa para facilitar a sua privatização.

 

Novas manifestações

Nesta sexta-feira (17) é a vez dos petroleiros(as) da Repar promoverem o protesto em defesa da Petrobrás, onde também será abordado os 15 anos do vazamento de petróleo nos rios Barigui e Iguaçu . As mobilizações continuam no dia 21 com manifestações na Usina do Xisto (SIX), em São Mateus, e no Ativo de Produção Sul, em Itajaí. No dia seguinte (22), o Edipar, em Curitiba, encerra os atos por unidade.

 

Esta etapa da campanha termina no dia 24 de julho, com paralisação de 24 horas em todas as bases da Petrobrás no país.

Terça, 14 Julho 2015 21:00

O Sindipetro Paraná e Santa Catarina realiza manifestações em defesa da Petrobrás nesta quarta (15) e quinta-feira (16) nas unidades da Transpetro. Os atos seguem as deliberações das assembleias que, juntamente com a pauta política apresentada pela FUP, aprovaram um calendário de mobilizações.

A categoria decidiu que neste ano vai priorizar uma pauta política e não econômica (salarial), na qual exige principalmente o cancelamento do plano de desinvestimentos (venda de ativos), a recomposição do efetivo de trabalhadores próprios da companhia e a retomada das obras suspensas (Comperj, Fafen-MS, parte da Refinaria Abreu e Lima e as refinarias premium do Maranhã e do Ceará).

Na quarta-feira serão realizados protestos nos Terminais Transpetro de Paranaguá (Tepar), Biguaçu (Teguaçu) e Itajaí (Tejaí). Já na quinta-feira é a vez dos Terminais de São Francisco do Sul (Tefran) e Guaramirmi (Temirim) sediarem os atos. A mobilização do Tefran também vai abordar o vazamento de petróleo no ano 2000, no qual 4 milhões de litros de petróleo poluíram os rios Barigui e Iguaçu a partir do rompimento do duto que liga o Tefran à Repar.

Segunda, 13 Julho 2015 20:33

Petroleiros, petroquímicos, professores, estudantes, militantes de movimentos sociais e da Central Única dos Trabalhadores (CUT) ocuparam as galerias da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) na tarde desta segunda-feira (13) para acompanhar o lançamento da Frente Parlamentar em Defesa da Petrobrás.

O objetivo da Frente Parlamentar é fortalecer a luta contra a venda de ativos e os cortes de investimentos anunciados pela empresa, o chamado plano de desinvestimentos, assim como barrar os projetos que visam alterar o modelo de partilha do pré-sal, a exemplo do Projeto de Lei do Senado (PLS) Nº 131, de autoria do senador José Serra (PSDB/SP).

A iniciativa surgiu do Sindipetro e Sindiquímica e foi viabilizada através mandato do deputado Tadeu Veneri (PT). Os parlamentares e movimentos entendem que é necessário fazer a Petrobras recuperar o seu papel de indutora de uma cadeia de trabalho, tecnologia e produção. “Estamos iniciando uma caminhada para construir a Frente em Defesa da Petrobrás e do pré-sal. Temos que esclarecer à sociedade o que significa a estatal petrolífera e o pré-sal para o desenvolvimento do país. A defesa da Petrobrás é uma ação necessária e urgente”, afirmou Tadeu Veneri.

Silvaney Bernardi, secretário de saúde da FUP e dirigente do Sindipetro Paraná e Santa Catarina, fez uma apresentação aos parlamentares e público presente sobre o petróleo e a Petrobrás. “Quando Getúlio Vargas criou a lei do petróleo e instituiu a Petrobrás, ele estabeleceu o monopólio estatal do petróleo na exploração, produção, refino e transporte do petróleo no Brasil. Em 1998 Fernando Henrique Cardoso flexibilizou a lei e acabou com o monopólio estatal porque acreditava haver muito risco exploratório. Mesmo com a quebra do o monopólio e abertura de mercado, a Petrobrás é responsável por 95% da produção nacional. Com o advento do pré-sal, o presidente Lula estabeleceu a Lei da Partilha, na qual a Petrobrás deve ser operadora exclusiva com participação mínima de 30% nas reservas. Em apenas 8 anos, a empresa atingiu a marca de produção de 800 mil barris por dia no pré-sal, algo inédito no mundo, melhor, com o custo de US$ 9 o barril, bem abaixo da média mundial de US$ 15”, destacou.

Bernardi ainda criticou o PLS 131, de autoria do senador José Serra (PSDB/SP). “A proposta do tucano retira da Petrobrás a condição de operadora única dos poços e abre o pré-sal para o mercado privado. As empresas tiveram 20 anos para investir no setor petróleo brasileiro e não o fizeram. Agora, com a qualidade e quantidade de óleo das reservas do pré-sal, estão querendo colocar as mãos no nosso petróleo. Mudar a lei da partilha significa retirar verbas do fundo social que aplica recursos em saúde e educação”, alertou. Sobre o difícil momento que a Petrobrás atravessa, Bernardi foi enfático. “A crise da Petrobrás é conjuntural e não estrutural, mesmo neste cenário adverso continuou investindo e quebrando recordes de produção e ganhando prêmios internacionais pela tecnologia desenvolvida. Tem que ficar claro que os agentes investigados, que levaram a mídia a colocar a empresa no olho do furacão, não tem nada haver com o corpo técnico da empresa. A Petrobrás continua com credibilidade internacional para captar recursos e com grande capacidade de realização”.

O próximo passo da Frente é a realização de uma audiência pública na Alep, prevista para acontecer após o recesso parlamentar de julho.

Sexta, 10 Julho 2015 19:15

Será na próxima segunda-feira (13), às 14h30, no Plenário da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep)

Quinta, 09 Julho 2015 20:04

As assembleias nas bases de representação do Sindipetro Paraná e Santa Catarina seguem aprovando por ampla maioria de votos os seis pontos em debate, cujo principal é a pauta de reivindicações aprovada na 5ª Plenária Nacional da FUP (pauta política).

 

Até a tarde desta quinta-feira (09) já foram realizadas sessões de assembleia com os grupos dois, três, cinco e o pessoal do horário administrativo da Repar, o grupo cinco da Usina do Xisto e os trabalhadores do Terminal de Itajaí, Ativo de Produção Sul, Terminal de Biguaçu e Terminal de Itajaí.  

 

Além da pauta política, está em debate a aprovação de assembleia em caráter permanente; aprovação de estado de greve; mobilizações e atos por setores que acontecem entre os dias 14 e 22 de julho, conforme agenda apresentada pela FUP; paralisação nacional de 24 horas em todo o sistema Petrobrás no dia 24 de julho; e discussão e deliberação sobre o desconto assistencial de 2% sobre o salário básico (mês de agosto 1% e setembro 1%), sendo 1% para abono dos funcionários do sindicato e 1% destinado à FUP para campanha nacional “Defender a Petrobrás é Defender o Brasil”.

 

As assembleias prosseguem até o dia 14 de julho, próxima terça-feira. Confira as datas, locais e horários das sessões no quadro abaixo:

 

BASE

LOCAL

DATA

HORÁRIO

Araucária/PR

Em frente à REPAR / Grupo 5

08/07/2015

15h00

Em frente à REPAR / Grupo 3 + Administrativo

09/07/2015

07h00

Em frente à REPAR / Grupo 2

09/07/2015

15h00

Em frente à REPAR / Grupo 1

09/07/2015

23h00

 

Em frente à REPAR / Grupo 4

14/07/2015

15h00

Curitiba/PR

Sede do Sindipetro SEDE DO SINDIPETRO PR/SC EM CURITIBA/PR

R. LAMENHA LINS, 2064 - REPAR + Aposentados

10/07/2015

17h30

Biguaçu/SC

Em frente ao TEGUAÇÚ

08/07/2015

14h00

Guaramirim/SC

Em frente ao TEMIRIM

08/07/2015

09h30

Itajaí/SC

Em frente ao TEJAÍ

09/07/2015

07h20

No estacionamento do Ativo de Produção Sul

09/07/2015

14h00

Paranaguá/PR

REGIONAL DO SINDIPETRO EM PARANAGUÁ/PR

R. Odilon Mader, 480 – Estradinha

13/07/2015

18h00

Em frente ao TEPAR/ Administrativo

13/07/2015

07h00

Em frente ao TEPAR /Grupo de Turno

13/07/2015

08h00

São Francisco do Sul/SC

Em frente ao TEFRAN

10/07/2015

12h30

Em frente ao TEFRAN/Grupo de Turno

10/07/2015

15h15

São Mateus do Sul/PR

Em frente à SIX / Grupo 5

09/07/2015

15h00

Em frente à SIX / Grupo 4

09/07/2015

23h00

Em frente à SIX / Grupo 1

10/07/2015

15h00

Em frente à SIX / Grupo 2 + Administrativo

14/07/2015

07h00

Regional do Sindipetro em São Mateus do Sul / Aposentados

14/07/2015

13h00

Em frente à SIX / Grupo 3

14/07/2015

15h00

 

Quarta, 08 Julho 2015 15:01

A primeira das 21 sessões de assembleia que o Sindipetro Paraná e Santa Catarina promove nos próximos dias aprovou por unanimidade todos os seis pontos de pauta propostos. Os petroleiros do Terminal Terrestre da Transpetro de Guaramirim (Temirim), em Santa Catarina, participaram em bom número da assembleia desta quarta-feira (08), realizada às 09h30, em frente à unidade.

 

De acordo com André Luís dos Santos, dirigente responsável pela regional sindical de Santa Catarina, houve debate e questionamentos, mas após as exposições sobre o delicado momento que a empresa atravessa, com planos de venda de ativos e cortes de investimentos, além de projetos que tentam alterar o modelo de partilha do pré-sal, “os petroleiros compreenderam a importância da pauta política e fizeram discursos engajados”.

 

Os pontos de pauta em debate nas assembleias são: debate e aprovação da pauta de reivindicações aprovada na 5ª Plenária Nacional da FUP; aprovação de assembleia em caráter permanente; aprovação de estado de greve; mobilizações e atos por setores que acontecem entre os dias 14 e 22 de julho, conforme agenda apresentada pela FUP; paralisação nacional de 24 horas em todo o sistema Petrobrás no dia 24 de julho; e discussão e deliberação sobre o desconto assistencial de 2% sobre o salário básico (mês de agosto 1% e setembro 1%), sendo 1% para abono dos funcionários do sindicato e 1% destinado à FUP para campanha nacional “Defender a Petrobrás é Defender o Brasil”.

 

As assembleias prosseguem até o dia 14 de julho, próxima terça-feira. Confira as datas, locais e horários das sessões no quadro abaixo:

 

BASE

LOCAL

DATA

HORÁRIO

Araucária/PR

Em frente à REPAR / Grupo 5

08/07/2015

15h00

Em frente à REPAR / Grupo 3 + Administrativo

09/07/2015

07h00

Em frente à REPAR / Grupo 2

09/07/2015

15h00

Em frente à REPAR / Grupo 1

09/07/2015

23h00

 

Em frente à REPAR / Grupo 4

14/07/2015

15h00

Curitiba/PR

Sede do Sindipetro SEDE DO SINDIPETRO PR/SC EM CURITIBA/PR

R. LAMENHA LINS, 2064 - REPAR + Aposentados

10/07/2015

17h30

Biguaçu/SC

Em frente ao TEGUAÇÚ

08/07/2015

14h00

Guaramirim/SC

Em frente ao TEMIRIM

08/07/2015

09h30

Itajaí/SC

Em frente ao TEJAÍ

09/07/2015

07h20

No estacionamento do Ativo de Produção Sul

09/07/2015

14h00

Paranaguá/PR

REGIONAL DO SINDIPETRO EM PARANAGUÁ/PR

R. Odilon Mader, 480 – Estradinha

13/07/2015

18h00

Em frente ao TEPAR/ Administrativo

13/07/2015

07h00

Em frente ao TEPAR /Grupo de Turno

13/07/2015

08h00

São Francisco do Sul/SC

Em frente ao TEFRAN

10/07/2015

12h30

Em frente ao TEFRAN/Grupo de Turno

10/07/2015

15h15

São Mateus do Sul/PR

REGIONAL de SÃO MATEUS DO SUL/PR  SIX + Aposentados

14/07/2015

13h00

Em frente à SIX - Grupo 1

09/07/2015

07h00

Em frente à SIX - Grupo 5

09/07/2015

15h00

Em frente à SIX - Grupo 4

09/07/2015

23h00

Em frente à SIX - Grupo 3 + Administrativo

10/07/2015

07h00

Em frente à SIX - Grupo 2

14/07/2015

07h00

 

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro