Mostrando itens por tag: Sindipetro PR e SC
Quinta, 09 Julho 2015 18:06

Os dirigentes da regional de São Mateus do Sul do Sindipetro Paraná e Santa Catarina decidiram alterar a grade das sessões de assembleia. Elas começam nesta quinta-feira, às 15h00, com a assembleia junto ao grupo 5 da SIX, e terminam na próxima terça-feira (14), às 15h00, com a sessão do Grupo 3.

 

As assembleias têm uma pauta extensa para debate com a categoria. Como primeiros pontos, o edital traz o debate e aprovação da pauta de reivindicações aprovada na 5ª Plenária Nacional da FUP, a aprovação de assembleia em caráter permanente e a aprovação de estado de greve.

 

Na sequência da pauta, entram em debate as mobilizações e atos por setores que acontecem entre os dias 14 e 22 de julho, conforme agenda apresentada pela FUP, e a paralisação nacional de 24 horas em todo o sistema Petrobrás no dia 24 de julho. O último ponto em discussão é a deliberação ao desconto assistencial de 2% sobre o salário básico (mês de agosto 1% e setembro 1%), sendo 1% para abono dos funcionários do sindicato e 1% destinado à FUP para campanha nacional “Defender a Petrobrás é Defender o Brasil”.

 

Confira as datas, horários e locais das sessões de assembleia de São Mateus do Sul na tabela abaixo:

BASE

LOCAL

DATA

HORÁRIO

São Mateus do Sul/PR

Em frente à SIX / Grupo 5

09/07/2015

15h00

Em frente à SIX / Grupo 4

09/07/2015

23h00

Em frente à SIX / Grupo 1

10/07/2015

15h00

Em frente à SIX / Grupo 2 + Administrativo

14/07/2015

07h00

Regional do Sindipetro em São Mateus do Sul / Aposentados

14/07/2015

13h00

Em frente à SIX / Grupo 3

14/07/2015

15h00

*O Edital, devidamente retificado, está disponível no ícone dos anexos abaixo.

Quarta, 08 Julho 2015 15:01

A primeira das 21 sessões de assembleia que o Sindipetro Paraná e Santa Catarina promove nos próximos dias aprovou por unanimidade todos os seis pontos de pauta propostos. Os petroleiros do Terminal Terrestre da Transpetro de Guaramirim (Temirim), em Santa Catarina, participaram em bom número da assembleia desta quarta-feira (08), realizada às 09h30, em frente à unidade.

 

De acordo com André Luís dos Santos, dirigente responsável pela regional sindical de Santa Catarina, houve debate e questionamentos, mas após as exposições sobre o delicado momento que a empresa atravessa, com planos de venda de ativos e cortes de investimentos, além de projetos que tentam alterar o modelo de partilha do pré-sal, “os petroleiros compreenderam a importância da pauta política e fizeram discursos engajados”.

 

Os pontos de pauta em debate nas assembleias são: debate e aprovação da pauta de reivindicações aprovada na 5ª Plenária Nacional da FUP; aprovação de assembleia em caráter permanente; aprovação de estado de greve; mobilizações e atos por setores que acontecem entre os dias 14 e 22 de julho, conforme agenda apresentada pela FUP; paralisação nacional de 24 horas em todo o sistema Petrobrás no dia 24 de julho; e discussão e deliberação sobre o desconto assistencial de 2% sobre o salário básico (mês de agosto 1% e setembro 1%), sendo 1% para abono dos funcionários do sindicato e 1% destinado à FUP para campanha nacional “Defender a Petrobrás é Defender o Brasil”.

 

As assembleias prosseguem até o dia 14 de julho, próxima terça-feira. Confira as datas, locais e horários das sessões no quadro abaixo:

 

BASE

LOCAL

DATA

HORÁRIO

Araucária/PR

Em frente à REPAR / Grupo 5

08/07/2015

15h00

Em frente à REPAR / Grupo 3 + Administrativo

09/07/2015

07h00

Em frente à REPAR / Grupo 2

09/07/2015

15h00

Em frente à REPAR / Grupo 1

09/07/2015

23h00

 

Em frente à REPAR / Grupo 4

14/07/2015

15h00

Curitiba/PR

Sede do Sindipetro SEDE DO SINDIPETRO PR/SC EM CURITIBA/PR

R. LAMENHA LINS, 2064 - REPAR + Aposentados

10/07/2015

17h30

Biguaçu/SC

Em frente ao TEGUAÇÚ

08/07/2015

14h00

Guaramirim/SC

Em frente ao TEMIRIM

08/07/2015

09h30

Itajaí/SC

Em frente ao TEJAÍ

09/07/2015

07h20

No estacionamento do Ativo de Produção Sul

09/07/2015

14h00

Paranaguá/PR

REGIONAL DO SINDIPETRO EM PARANAGUÁ/PR

R. Odilon Mader, 480 – Estradinha

13/07/2015

18h00

Em frente ao TEPAR/ Administrativo

13/07/2015

07h00

Em frente ao TEPAR /Grupo de Turno

13/07/2015

08h00

São Francisco do Sul/SC

Em frente ao TEFRAN

10/07/2015

12h30

Em frente ao TEFRAN/Grupo de Turno

10/07/2015

15h15

São Mateus do Sul/PR

REGIONAL de SÃO MATEUS DO SUL/PR  SIX + Aposentados

14/07/2015

13h00

Em frente à SIX - Grupo 1

09/07/2015

07h00

Em frente à SIX - Grupo 5

09/07/2015

15h00

Em frente à SIX - Grupo 4

09/07/2015

23h00

Em frente à SIX - Grupo 3 + Administrativo

10/07/2015

07h00

Em frente à SIX - Grupo 2

14/07/2015

07h00

 

Quinta, 11 Junho 2015 14:42

Evento acontece no dia 23/06, às 19h00, na Sede Regional do Sindipetro PR e SC, e serão servidos queijos e vinhos ao público. Sindicalizados podem retirar seus convites no Sindicato ou com os dirigentes.

Terça, 02 Junho 2015 19:08

Diretores da FUP e uma comissão de representantes dos sindicatos filiados se reuniram no dia 20 de maio, no Rio de Janeiro, com a Petrobrás e a empresa que opera o Benefício Farmácia, a Global saúde. A pauta foi a cobrança por soluções dos problemas apontados pelos usuários do programa. O Sindipetro Paraná e Santa Catarina enviou dois dirigentes, os companheiros Claudiney Batista, secretário de saúde do Sindicato, e Antônio Carlos Silva, coordenador da secretaria dos aposentados e pensionistas.

Na oportunidade, os sindicalistas relataram todas as dificuldades que os petroleiros têm para adquirir medicamentos, conforme denúncias que chegaram às entidades, por conta dos transtornos causados pela mudança da operadora. A Global Saúde pediu um prazo de trinta dias para corrigir as distorções que estão acontecendo e apresentar um relatório com a evolução das providências tomadas.

As críticas da FUP e sindicatos à gestão do programa foram contundentes. As principais queixas referem-se a não liberação de todos os medicamentos prescritos em receita médica, limite de compras de R$ 400,00 por beneficiário/mês, impossibilidade de efetivação da compra em horários determinados, limite diário de venda por estabelecimento de R$ 1,5 mil, burocracia excessiva e exigências desnecessárias, problemas com o '0800', sistema fora do ar, dificuldades com o reembolso, e a não resposta de análise técnica, entre outros.

A Global, que já foi multada pela Petrobrás por descumprimento de contrato, argumentou que está realizando melhorias no site, no modelo de e-mail, e que está recrutando mais pessoas para os serviços de atendimento aos usuários. A empresa também negou que esteja restringindo a aquisição de medicamentos ou efetuando bloqueios por horário ou valores. Apesar disso, o elevado número de reclamações e a coincidência de motivações leva a crer que existe alguma disposição em dificultar a aquisição dos medicamentos.

Na reunião ficou evidente que a Global tenta justificar as dificuldades explorando as tentativas de fraude contra o sistema. Os ilícitos devem ser combatidos pela operadora, mas não podem servir de desculpa para tantos transtornos que o Benefício Farmácia vem causando. A empresa ainda apresentou um demonstrativo de receitas e despesas e sugeriu uma possível insuficiência de verbas no contrato para atender a demanda.

A principal alegação de defesa da Global é o fato de ter assumido um programa em andamento, abandonado pela e-pharma. A antiga operadora prestava serviços mediante um contrato de reembolso por demanda de medicamentos adquiridos pelos beneficiários. A Global substituiu a e-pharma, sendo remunerada pelo valor de R$ 42,00 por usuário/mês, mas nos demonstrativos apresentados durante a reunião demonstra uma despesa mensal superior ao valor contratado.

Apesar de a operadora não ter demonstrado capacidade para gerir o programa, a principal responsável é a Petrobrás, que terceirizou a gestão do Benefício Farmácia e retirou o controle da gerência de compartilhados da empresa.

No entendimento da FUP e dos sindicatos, a solução para os problemas do Benefício Farmácia passa pela transparência da gestão do programa, com participação dos trabalhadores. Dados sobre o valor arrecadado para o benefício, por exemplo, dariam base para analisar a suficiência, ou não, do contrato firmado. Enquanto estas reivindicações não são atendidas, os trabalhadores exigem que a Petrobrás cumpra o ACT em sua plenitude. 

Recadastramento
Diante dos problemas, foi acordado que o prazo para recadastramento dos usuários, que acabaria no dia 31 de maio, seja prorrogado até 30 de junho. Até o momento, cerca de 180 mil usuários da AMS já se recadastraram para receber os cartões de utilização do benefício. Para fazer o recadastramento, acesse www.portaldobeneficiario.globalsaude.com.br.

Fiscalize!
A FUP disponibilizou um sistema de monitoramento do Benefício Farmácia para que os petroleiros e seus dependentes fiscalizem essa que é uma das principais conquistas da categoria. Acesse o portal www.beneficiofarmacia.fup.org.br ou entre em contato pelo 0800-761-6238.

Sexta, 29 Maio 2015 18:25

Petroleiros de todo país realizaram protestos nesta sexta-feira (29), Dia Nacional de Paralisação, convocado pelas centrais sindicais e organizações dos movimentos sociais.  A pauta é bastante extensa, já que a classe trabalhadora vem sofrendo mais ataques aos seus direitos nesta nova legislatura do Congresso Nacional do que em todo o Regime Militar (1964 – 1985), conforme avaliação da Central Única dos Trabalhadores.

A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 4330/2004, que libera as terceirizações até nas atividades-fim das empresas, e uma série de outras medidas que limitam o acesso aos benefícios como seguro-desemprego, pensão por morte, abono salarial e previdência social. Já o conjunto de medidas de ajuste fiscal do governo, elaborado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, sem qualquer diálogo com a sociedade, retira verbas de áreas essenciais para a classe trabalhadora, como saúde, educação e habitação. Enquanto isso, a taxação das grandes fortunas, que poderia gerar R$ 6 bilhões de impostos anuais à União, não avança. A política de austeridade retira das classes mais necessitadas e preserva as elites.

Os trabalhadores deixaram evidente o descontentamento com a agenda política e realizam uma série de manifestações nesta sexta. Nas bases do Sindipetro Paraná e Santa Catarina, o principal protesto foi realizado pelos petroleiros da Usina do Xisto, em São Mateus do Sul. Não houve a rendição do turno das 07h30 e os trabalhadores foram até a Sede regional do Sindicato, onde participaram de um debate sobre a conjuntura política e os ataques aos direitos. Na oportunidade, foi dado início à construção de um documento em defesa do Projeto SIX (Superintendência do Xisto), a ser encaminhado à gerência da SIX e à FUP. A proposta será levada aos demais grupos de turno e trabalhadores do administrativo para construir uma pauta única.

Na Repar ocorreram problemas que levaram ao cancelamento da atividade prevista. O Sindipetro Paraná e Santa Catarina e militantes do MST bloqueariam a BR 116, na altura do CEASA (Centro de Abastecimento Alimentar), o que impediria o acesso às demais rodovias, inclusive a que dá acesso à refinaria (Rodovia do Xisto), mas falhas na logística atrapalharam a chegada do pessoal o MST a tempo de realizar a manifestação. No entanto, os militantes impediram por mais de três horas o tráfego de veículos no Contorno Sul.

O Sindicato recebeu informações de que os gestores da Repar anteciparam a chegada de ônibus e vans do seu contingente pelego para frustrar o movimento. A mesma orientação teria sido dada aos terceirizados. Trata-se de uma postura lamentável, tanto por parte dos gestores, quanto por parte dos funcionários que acataram tal determinação. Se por um lado a estratégia da empresa faz parte de um jogo sujo na luta de classes; por outro, a participação de empregados é um ato vil e covarde.

Em Curitiba, dirigentes do Sindipetro Paraná e Santa Catarina participaram, a partir das 10 horas, da marcha dos servidores públicos, ato que faz parte do Dia Nacional de Paralisações. Dezenas de milhares trabalhadores do funcionalismo estadual saíram em passeata da Praça 19 de dezembro até o Centro Cívico para protestar contra o governador Beto Richa (PSDB), que está envolvido em esquemas de corrupção e enfrenta uma greve geral dos servidores por oferecer reajustes que sequer recompõe a inflação.

Na capital catarinense, o Sindipetro se une aos demais sindicatos e movimentos na manifestação que acontece a partir das 15h30, no Ticen (Terminal de Integração do Centro). A atividade é convocada pela CUT-SC e contará com paralisação do transporte público de Florianópolis.

O Dia Nacional de Luta mostra a reação dos trabalhadores à atual pauta política e econômica do país. Se os governantes, parlamentares, empresários e as elites não recuarem, as organizações dos trabalhadores e movimentos sociais devem partir para a construção de uma greve geral.

Quinta, 28 Maio 2015 14:42

Nesta sexta-feira (29), centrais sindicais e organizações dos movimentos sociais farão grandes manifestações em todo o país. A pauta é bastante extensa, pois motivos que causam descontentamento na classe trabalhadora não faltam. A avaliação da CUT é de que o Congresso Nacional aprovou nestes cinco meses da nova legislatura mais ataques aos direitos dos trabalhadores do que em todo o Regime Militar (1964 – 1985).

A Câmara dos Deputados tem honrado o título de a mais conservadora desde o início da ditadura, conforme estudo do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar). Os parlamentares já aprovaram o Projeto de Lei 4330/2004, que escancara as terceirizações ao liberá-las até nas atividades-fim das empresas; as medidas que limitam o acesso aos benefícios como seguro-desemprego, pensão por morte, abono salarial e previdência social.  

O conjunto de medidas de ajuste fiscal do governo, elaborado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, sem qualquer diálogo com a sociedade, retira verbas de áreas essenciais para a classe trabalhadora, como saúde, educação e habitação. Enquanto isso, a taxação das grandes fortunas, que poderia gerar R$ 6 bilhões de impostos anuais à União, não avança. A política de austeridade retira das classes mais necessitadas e preserva as elites.

Por todas estas razões, os trabalhadores e suas entidades de representação irão tomar ruas, fábricas, rodovias, praças e espaços públicos neste Dia Nacional de Paralisação. “Será um dia para mostrar a reação dos trabalhadores à atual pauta política e econômica do país. Se os governantes, parlamentares, empresários e as elites não recuarem, vamos partir para uma greve geral”, alerta Mário Dal Zot, presidente do Sindipetro PR e SC.

Quarta, 13 Maio 2015 20:10

O curso “Investigação e Análise de Acidentes de Trabalho” será realizado nos dias 28 e 29 de maio, na sede do Sindipetro PR e SC, em Curitiba. O evento é uma parceria do Sindicato com a Fundacentro (Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), ligada ao Ministério do Trabalho e Emprego, e conta com o apoio do Sindiquímica-PR (Sindicato dos Petroquímicos do Paraná).

No primeiro dia, o secretário de SMS da FUP, Silvaney Bernardi, abre as atividades com o painel “Política de Saúde, Meio Ambiente e Segurança da Petrobrás”. Na sequência, o curso prossegue com “o método da árvore de causas na investigação e análise de acidentes de trabalho”, ministrado por Leonidas Ramos Pandaggis, da Fundacentro. Leonidas é engenheiro de minas e de segurança do trabalho, mestre em engenharia pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e gerente da Coordenação de Segurança no Processo de Trabalho do Centro Técnico Nacional da Fundacentro.

O curso é aberto e tem por objetivo propiciar aos participantes a iniciação teórica e prática ao Método da Árvore de Causas, fornecendo elementos necessários a uma melhor compreensão do fenômeno acidente de maneira que se tornem capazes de, na investigação e análise de acidentes do trabalho, obter um número maior de informações sobre sua constituição, estrutura e natureza, condição imprescindível à formulação e adoção de medidas de prevenção eficazes.

Os interessados devem confirmar a participação pelo telefone (41) 3332-4554.



Terça, 05 Maio 2015 20:07

A Direção Executiva da Federação Única dos Petroleiros (FUP) deliberou que suas reuniões ordinárias serão itinerantes e realizadas nas bases dos sindicatos filiados. Cada encontro contará com plenárias junto aos movimentos sociais de cada região, atos nas unidades, além dos debates pontuais.

A base do Paraná foi a primeira escolhida para sediar a reunião da Direção da FUP. Os dirigentes da Federação participaram nesta terça-feira (05), em Curitiba, do ato civil em apoio aos professores do Paraná.

Na manhã desta quarta (06) a FUP, juntamente com o Sindipetro PR e SC e o Sindiquímica PR, promove um ato político na Repar sobre os 20 anos da greve de 1995 e um bate papo para apresentar a nova direção da FUP.

Após a atividade na refinaria, os dirigentes da FUP e dos sindicatos se reúnem na sede do Sindiquímica PR. Na quinta (06) e sexta-feira (07) a Federação debate sua pauta no Sindipetro PR e SC.

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro