Mostrando itens por tag: Plano Petros 1
Quinta, 16 Novembro 2017 18:27

O conselheiro eleito pelos trabalhadores na Petros, Paulo César Martin, vai abordar o tema às 17h00, na Sede do Sindicato. Participe!

Sexta, 15 Setembro 2017 19:02

Para atender demandas da base, o Sindipetro Paraná e Santa Catarina ampliou as reuniões debater sobre o plano de equacionamento do Petros 1. Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação na última terça-feira (12), o plano impõe aos participantes e assistidos a conta de problemas estruturais que são de responsabilidade exclusiva dos gestores.

 

As reuniões discutirão o plano e as estratégias para combater, ou pelo menos minimizar, os impactos nos trabalhadores. Elas acontecerão na próxima semana, na Sede e Regionais do Sindipetro. Confira o novo calendário abaixo:

 

São Mateus do Sul-PR: 18/09 (segunda-feira), às 17h30

Paranaguá-PR: 19/09 (terça-feira), às 17h30

Curitiba-PR: 20/09 (quarta-feira), às 10h00

Curitiba-PR: 20/09 (quarta-feira), às 18h30

Joinville-SC: 21/09 (quinta-feira), às 17h00

Sexta, 18 Agosto 2017 15:07

Durante ato realizado pela FUP e seus sindicatos nesta quinta-feira, 17, na sede da Petros, no Rio de Janeiro, os participantes e assistidos do Plano Petros-1 garantiram uma importante vitória, fruto do diálogo e da mobilização: o Conselho Deliberativo não votou a proposta da direção da Fundação para equacionamento do déficit do plano.

 

Após ouvir a representação das entidades sindicais, que ocuparam o prédio da Petros para que pudessem ser ouvidas pelos conselheiros, o presidente do Conselho Deliberativo, Afonso Celso Granato Lopes, anunciou a decisão de suspender a votação. A FUP continuará tentando estabelecer um canal de negociação com a Petros e as patrocinadoras do PP-1 para buscar a melhor forma de resolver o déficit sem prejudicar os participantes e assistidos.

 

Os petroleiros iniciaram a manifestação em frente à sede da Petros por volta das 10 horas, com a presença de aposentados e pensionistas de vários estados do país, que participaram nos últimos dias de um seminário nacional que discutiu a situação do Plano Petros e alternativas de equacionamento do déficit, que sejam viáveis para os participantes e assistidos e garantam a sustentabilidade do plano no longo prazo.

 

Em suas intervenções, os dirigentes da FUP e de seus sindicatos alertaram que os problemas do PP-1 são históricos e estruturais, que precisam ser definitivamente resolvidos, mas reconhecem a necessidade de novos aportes financeiros para o plano. No entanto, não aceitam a conta integral que a direção da Petros quer impor aos participantes e assistidos, pois entendem que as patrocinadoras têm responsabilidade com esses problemas.

 

“Há muitos anos, nosso fundo tem problemas estruturais graves, pois foi criado para que os baixos salários financiem as altas aposentadorias. Ou seja, uma pequena parcela dos assistidos acaba sendo beneficiada e todo o coletivo pago. Temos a consciência de que o plano necessita de novos aportes, mas não pode ser penalizando os assistidos e participantes”, afirmou o coordenador da FUP, José Maria Rangel.

 

“Em 2007, com o processo de repactuação do regulamento do plano e com a criação do Plano Petros-2 para os novos trabalhadores, a FUP conseguiu dar uma sobrevida de dez anos para o nosso fundo de previdência, que sempre teve um histórico de déficits consecutivos”, explicou, lembrando que a repactuação do PP-1 garantiu que as patrocinadoras reconhecessem parte das dívidas que têm com o fundo, o que representa hoje R$ 11 bilhões a mais no patrimônio do plano. “Se não fosse a repactuação, que injetou recursos no plano, hoje ele estaria insolvente”, declarou Zé Maria.

 

Quinta, 16 Fevereiro 2017 18:06

 

A Petros iniciou o processo de retirada do limitador operacional do teto do Plano Petros do Sistema Petrobras (PPSP), também conhecido como Plano Petros 1. Trata-se de um mecanismo que limitava a renda de aposentadoria (benefício Petros + benefício do INSS) dos participantes do PPSP em 90% dos tetos pagos pelo plano. Esses tetos representam o valor máximo que o aposentado ou pensionista pode receber e, além de serem corrigidos anualmente, também variam de acordo com a data de adesão ao plano.

 

Atualmente, os tetos são de R$ 23.895,63 para quem aderiu ao PPSP até 14/04/1982 e de R$ 16.593,93 para quem assinou o contrato a partir dessa data. Os aposentados que na época da concessão do benefício tiveram sua renda reduzida a 90% do teto Petros terão seu benefício corrigido. Dos mais de 60 mil aposentados e pensionistas do PPSP, apenas 9.500 terão os benefícios reajustados por causa do fim do limitador do teto.

 

Para fazer o pagamento, a Petros necessitará recalcular cada um desses benefícios, de acordo com as condições da época. Por isso, a retirada do limitador será feita gradativamente, em grupos. Primeiro serão recompostos os benefícios de pessoas com moléstias graves e os mais idosos. Porém, dentro de 20 meses todos os 9,5 mil serão contemplados.

 

O percentual de aumento do benefício também vai variar de pessoa para pessoa. Isso porque, na hora da aposentadoria a fatia da renda que ultrapassou os 90% também não foi a mesma para todos.


A partir do dia 17 de fevereiro, os participantes terão disponível na área restrita do Portal Petros uma ferramenta para saber se estão no grupo que terá o benefício revisto e quando ele será reajustado.

 

Você pode conferir mais informações sobre a retirada do limitador no seguinte link do site da Petros:

 

https://www.petros.com.br/PortalPetros/faces/wcnav_externalId/not?content=WCC038875&_adf.ctrl-state=160wjp3adk_4&_afrLoop=1982536794409220

Quinta, 16 Fevereiro 2017 18:00

 

A Petros iniciou o processo de retirada do limitador operacional do teto do Plano Petros do Sistema Petrobras (PPSP), também conhecido como Plano Petros 1. Trata-se de um mecanismo que limitava a renda de aposentadoria (benefício Petros + benefício do INSS) dos participantes do PPSP em 90% dos tetos pagos pelo plano. Esses tetos representam o valor máximo que o aposentado ou pensionista pode receber e, além de serem corrigidos anualmente, também variam de acordo com a data de adesão ao plano.

 

Atualmente, os tetos são de R$ 23.895,63 para quem aderiu ao PPSP até 14/04/1982 e de R$ 16.593,93 para quem assinou o contrato a partir dessa data. Os aposentados que na época da concessão do benefício tiveram sua renda reduzida a 90% do teto Petros terão seu benefício corrigido. Dos mais de 60 mil aposentados e pensionistas do PPSP, apenas 9.500 terão os benefícios reajustados por causa do fim do limitador do teto.

 

Para fazer o pagamento, a Petros necessitará recalcular cada um desses benefícios, de acordo com as condições da época. Por isso, a retirada do limitador será feita gradativamente, em grupos. Primeiro serão recompostos os benefícios de pessoas com moléstias graves e os mais idosos. Porém, dentro de 20 meses todos os 9,5 mil serão contemplados.

 

O percentual de aumento do benefício também vai variar de pessoa para pessoa. Isso porque, na hora da aposentadoria a fatia da renda que ultrapassou os 90% também não foi a mesma para todos.


A partir do dia 17 de fevereiro, os participantes terão disponível na área restrita do Portal Petros uma ferramenta para saber se estão no grupo que terá o benefício revisto e quando ele será reajustado.

 

Você pode conferir mais informações sobre a retirada do limitador no seguinte link do site da Petros:

 

https://www.petros.com.br/PortalPetros/faces/wcnav_externalId/not?content=WCC038875&_adf.ctrl-state=160wjp3adk_4&_afrLoop=1982536794409220

Terça, 28 Junho 2016 19:38

Em entrevista à TV Sindipetro PR e SC, o diretor da FUP, Paulo César Martin, conselheiro deliberativo da Petros, eleito pelos trabalhadores, explica os principais motivos do déficit do Plano Petros-1, analisa possibilidades de equacionamento e a situação financeira dos demais planos de previdência administrados pela Petros. A entrevista foi gravada durante palestra de Paulo César aos petroleiros da ativa e aposentados de Curitiba, no dia 17 de junho, na Sede do Sindicato. O conselheiro da Petros também palestrou aos petroleiros de Santa Catarina no dia 16, na Regional Sindical de Joinville. Confira:

 

Terça, 28 Junho 2016 19:26

Em entrevista à TV Sindipetro PR e SC, o diretor da FUP, Paulo César Martin, conselheiro deliberativo da Petros, eleito pelos trabalhadores, explica os principais motivos do déficit do Plano Petros-1, analisa possibilidades de equacionamento e a situação financeira dos demais planos de previdência administrados pela Petros. A entrevista foi gravada durante palestra de Paulo César aos petroleiros da ativa e aposentados de Curitiba, no dia 17 de junho, na Sede do Sindicato. O conselheiro da Petros também palestrou aos petroleiros de Santa Catarina no dia 16, na Regional Sindical de Joinville. Confira:

 

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro