Image not available
Image not available
Segunda, 21 Outubro 2019 14:45

Petroleiros aprovam indicativos da FUP com ampla participação nas assembleias

Conselho Deliberativo da Federação já comunicou Petrobrás e TST sobre resultados das assembleias gerais nas bases do Sindipetro no Paraná e em Santa Catarina. O índice de rejeição foi de 70% e o destaque foi a participação de 894 trabalhadores, maior dos últimos anos  

 

Diante de práticas antissindicais e política do medo, a melhor saída é coletiva. Hoje (21), marcou a última sessão comandada pelo SindipetroPReSC para o calendário de assembleias gerais antes da assinatura (ou não) do Acordo Coletivo de Trabalho. O encontro na SIX, em São Mateus do Sul, reafirmou os itens defendidos pela FUP.

 

Para o presidente do SindipetroPReSC, Mário Dal Zot, a categoria não quer perder direitos. Ele completa explicando que os petroleiros enxergam no sindicato a única entidade que vai defendê-los nesse atual contexto.

 

“A atual gestão da Petrobrás mostrou, nessa negociação, com práticas antissindicais e assédio, a atual política da empresa. A categoria vai se mobilizar diante desse desmonte e eles podem ter certeza que o sindicato irá representá-los”, explicou Mário.

 

Os petroleiros estão atentos aos movimentos que a estatal está dando, prova disso é o aumento da participação nas sessões no Paraná e em Santa Catarina.  

 

Nas bases do Sindipetro, das 20 sessões, 629 participantes rejeitaram a proposta de acordo apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho. Para o segundo ponto, que são itens encaminhados pela FUP ao TST para melhorar a proposta do Tribunal, 690 concordaram com o indicativo.

 

Sobre condicionar a assinatura da eventual aprovação das propostas às assinaturas dos acordos coletivos de trabalho das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados, 622 foram favoráveis.

 

 

E em relação a deflagração de greve a partir da zero hora do dia 26 de outubro, caso não ocorra negociação, 515 petroleiros apoiaram a paralisação, com 13% de abstenções.

 

Brasil

 

No total, em média, 70% dos trabalhadores consultados rejeitaram a proposta que retira direitos e desmonta o ACT, facilitando a privatização das unidades do Sistema Petrobrás. Também aprovaram o indicativo da FUP de greve a partir do dia 26 de outubro, caso a Petrobrás não retome as negociações.

 

Os itens encaminhados ao TST para melhorar a proposta e de condicionar a assinatura do ACT à assinatura dos Acordos das subsidiárias e da Araucária Nitrogenados completaram o rol de indicativos defendidos pelos trabalhadores nas assembleias.

Última modificação em Segunda, 21 Outubro 2019 14:59

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro