Zenith Forex carreira Jack Daniels Melhor Forex Estratégia Forex trading para ganhar dinheiro Sistema de trade de liberalização Análise do Mercado Forex PDF Forex Mundo Cargo Filipinas Truques de negociação de opções bacanas Swing Forex Estratégia Como as Forex Centrum Forex Taxa de câmbio Dia Trading Forex Live YouTube forex utah. O leilão de swap forex é Opções binárias Rich Forex Trading. NBAD Forex Trading. Ponto Pivot Opções binárias Trading Strategy Videos Estratégia de negociação de jacaré Você tem sistema de Forexchange grupo forex Opções binárias S & P 500 Bangladesh Negociação multi estratégia Indicador de Alerta de Bollinger Bands MT4 Terminologia Forex para iniciantes PDF Forex Broker Killer 1 minuto Estratégia Barclays Zâmbia Forex. Data de Banco Estadual da Índia Forex Ramos Pune man Aprenda Forex Negociar software de sistema de negociação automática state dating laws in Sint Genesius Rode Belgium speed dating central Natal Brazil ヒマラヤ外国為替プライベートリミテッドリミテッド toerana hookup Antsirabe Madagaskar
Segunda, 30 Maio 2016 13:31

Resistência ao golpe dá o tom do IV Encontro Nacional de Mulheres Petroleiras

Resistir ao governo golpista instalado no país foi a base dos discursos da noite de abertura do do 4º Encontro Nacional de Mulheres Petroleiras, ocorrida no dia 20 de maio. Estavam presentes,  a Coordenadora do Coletivo de Mulheres Petroleiras, Rosângela Maria, o coordenador do Sindipetro-NF, Marcos Breda, a Secretaria de Mulheres da CUT, Marlene Miranda, a diretora da CTB, Fátima Maria de Oliveira, Marcha Mundial de Mulheres, Elaine Bezerra,  representante da UNE, Simone Claudino e pelo Levante Popular da Juventude, Julia Garcia de Souza Silva.

Julia de Souza sugeriu que de dentro da categoria petroleira precisam sair planos de resistência de como resistir a uma conjuntura que coloca as mulheres como ponta de lança e as primeiras a ter que pagar.

 

Simone Claudino lembrou que desde a fundação da Petrobras a UNE tem estado ao lado e defendido a empresa. E que o papel agora é de assegurar os direitos que estão ameaçados e manter a empresa com o mola propulsora do desenvolvimento. “O momento é de resistência. Diversas conquistas recentes estão sendo retiradas. É preciso lutar contra isso! Nosso lugar é na rua! – disse.

 

Elaine Bezerra denunciou a característica discriminatória do golpe contra mulheres, negros, indivíduos e LGBTs. “Nós não reconhecemos esse governo golpista e não vamos reivindicar nada para ele. Queremos restituir o mandato da presidente Dilma. Nosso recado é que não vamos sair das ruas”.

 

O 4º Encontro de Mulheres Petroleiras consolida a organização pela construção de uma Secretaria de Mulheres da FUP para a representante da CTB, Fátima Maria de Oliveira. Ela e a representante da CUT, Marlene Miranda,  avaliam que a interrupção do mandato da presidenta Dilma Roussef   é um golpe e que se faz necessário restabelecer as bases de um governo democrático.  

Marcos Breda ressaltou a importância da luta das mulheres. "A luta entre patrão e empregado é unidirecional e das mulheres é multidirecional.  Estão dentro dos sindicatos, partidos políticos, no trabalho e nas famílias. As mulheres são guerreiras e tem muita capacidade de resistir". 

 

"Hoje, nossa grande luta é para restituir o mandato da primeira presidente mulher do Brasil e reverter o golpe" - disse Breda.

 

O encerramento do evento ficou à cargo da Coordenadora do Coletivo de Mulheres Petroleiras, Rosângela Maria, que lembrou que o 4º Encontro foi construído num momento de conjuntura totalmente desfavorável, apesar disso a luta tem que continuar. "Não podemos parar agora, pela nossa história. A esperança tem que ser fortalecida, porque nossa democracia é muito nova para morrer. Separadas somos fracas, unidas somos fortes" - conclui depois convidando aos presentes a fazer uma mentalização pelo país.

 

PROTAGONISMO FEMININO

A manhã do segundo dia do Encontro de Mulheres Petroleiras, no sábado, foi de movimento com um forró laboral que ajudou a descontrair e relaxar quem estava presente para os temas que estariam em pauta. O primeiro a ser debatido foi a conjuntura nacional com a Coordenadora Geral do Sindipetro Unificado de São Paulo, Cibele Vieira, a diretora da CTB, Fátima Maria de Oliveira e representando o Levante Popular, Julia Garcia de Souza Silva.

Em sua apresentação, Cibele fez um resgate histórico do movimento que ocupou as ruas em 2013 e como os movimentos organizados não conseguiram ser vanguarda naquele momento. Anos depois, com o pano de fundo do combate à corrupção, milhares de pessoas foram às ruas ano passado. Cibele explicou que a luta contra corrupção traz uma questão ética moral por trás e junto dela caminha uma onda conservadora, que combate uma série de direitos conquistados.

 

" O Projeto 'Ponte para o Passado' do governo golpista quer intervir em empresas que contribuem para a economia como a Petrobras, Banco do Brasil e Caixa Econômica e acabar com uma série de direitos como a aposentadoria, o Fies e o Bolsa  Família" - afirma Cibele que analisa o momento como difícil e que só será superado com o fortalecimento de alianças dos sindicatos com estudantes e movimentos sociais.

 

Para Fátima de Oliveira, vivemos uma crise política econômica, diferente de 1954 e 1964, porque  a atual presidente diz que vai reagir e que quer lutar.  A figura de Dilma é um grande incentivo. Além disso,  o golpe não foi apoiado por nenhum governo no exterior. Esse cenário para ela  dá possibilidade de reação. "Os movimentos sociais tem que organizar a resistência e discutir com cada trabalhador e cidadão. Defender a democracia, os direitos e a retomada do desenvolvimento nacional. Se teve erros, vamos corrigir! - comenta Fátima.

 

Julia Garcia do Levante se soma a esse pensamento e reafirma a necessidade construir a unidade através de ferramentas de resistência. A Frente Brasil Popular é uma ferramenta de aglutinação da esquerda que pensa uma nova política e deve criar ações para atingir a periferia e sindicatos, que ainda não se somara a luta.

 

A mesa seguinte foi com a mestre em Educação pela Universidade Federal Fluminense, Guiomar do Rosário Barros Valdez, que falou da mulher como protagonista na história. Guiomar explicou  que nem sempre foi assim na humanidade, e que os processos de repressão, violência e desigualdade não são naturais, mas históricos.  Afirmou também que a origem da desigualdade está no surgimento da propriedade privada, das classes sociais.  O patriarcado e o machismo ainda se perpetuam em nossa sociedade e isso deve ser combatido.

 

Ao analisar as mulheres petroleiras ela reconheceu a dificuldade da luta e afirmou que os problemas devem ser colocados em pauta. A tarefa histórica que está colocada para as petroleiras é de assumir o papel de vanguarda e estar junto das mulheres operárias e camponeses,  trocando saberes com muita humildade.

 

E nesse momento em que o governo golpista acabou com a Secretaria de Mulheres, a mestre defendeu a criação da Secretaria de Mulheres da FUP. 

 

Fonte: Sindipetro-NF

Última modificação em Segunda, 30 Maio 2016 13:34

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro