O Xisto Não Pode Parar!

O fato de a Petrobrás ter criado um grupo de estudo para avaliar a viabilidade econômica da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul, causa preocupação na categoria e na sociedade local. Isso porque, diante do cenário de crise na Petrobrás e em todo o setor petróleo, pode ser uma sinalização de encerramento das atividades da SIX.

Diante disso, uma série de entidades da sociedade civil organizada e representantes políticos se engajaram na luta em defesa da SIX e lançaram a campanha “O Xisto Não Pode Parar”. O movimento, no entanto, vai além da manutenção das atividades da SIX. É preciso garantir investimentos na Usina do Xisto para que ela seja de fato viabilizada economicamente. Caso contrário, a cada queda abrupta no preço do barril de petróleo as ameaças de encerramento das atividades voltam à tona.

A Usina produz óleo combustível, nafta, gás combustível, gás liquefeito e enxofre, e ainda produtos que podem ser utilizados nas indústrias de asfalto, cimenteira, agrícola e de cerâmica. Porém, por ser um Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica, desenvolveu fertilizantes para a indústria agropecuária, a partir da água de xisto; e também faz o processamento do lastro, um resíduo de reservatórios de petróleo e derivados que requer destinação ambientalmente correta e que tem alto custo. Ainda no rol de atividades econômicas viáveis, o processamento do xisto permite a reciclagem de pneus em larga escala.

Quinta, 13 Julho 2017 19:27

Assembleias começam na tarde desta sexta (14). Na Usina do Xisto, a paralisação começa à zero hora de sábado (15)

Segunda, 10 Julho 2017 20:28

 

Os trabalhadores da refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), localizada em Araucária, decidiram suspender a greve em assembleia realizada na tarde desta segunda-feira (10). Os petroleiros da Usina do Xisto, em São Mateus do Sul, deliberaram da mesma forma em reunião feita na manhã de domingo (09).

 

O movimento havia sido retomado à zero hora de sábado (08) e teve início no dia 30 de junho. A motivação da paralisação são os cortes de postos de trabalho nas unidades operacionais dos parques de refino da Petrobras. A medida foi tomada de forma unilateral pela direção da estatal e descumpre o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) da categoria, que prevê em sua 91ª cláusula a manutenção de um fórum corporativo para discutir com as entidades de representação dos trabalhadores as questões que envolvem o efetivo de pessoal.   

 

Além disso, a redução de postos de trabalho também fere normas da Agência Nacional do Petróleo (ANP). É o caso do regulamento técnico do sistema de gerenciamento da segurança operacional de refinarias de petróleo, que prevê a avaliação das mudanças nos procedimentos, instalações, equipamento ou força de trabalho de forma que os riscos advindos dessas alterações permaneçam em níveis aceitáveis. “Por diversas vezes buscamos junto à gestão das duas refinarias o documento de gerenciamento de mudanças, mas sempre desconversam. A verdade é que não foram feitas essas análises dos riscos com os cortes de postos de trabalho. Os trabalhadores estão muito preocupados com a possiblidade de um acidente ampliado. A sensação é de total insegurança. Com a redução dos efetivos nas unidades operacionais, as refinarias brasileiras se transformaram em bombas relógio prestes a explodir”, alerta Mário Dal Zot, presidente do Sindicato dos Petroleiros do Paraná e Santa Catarina.

 

Cabe ressaltar que as greves na Repar e Usina do Xisto estão apenas suspensas e podem ser retomadas a qualquer momento, cumprindo-se os prazos legais, conforme deliberação da assembleia realizada em 07 de julho de 2017. As assembleias que estavam previstas para acontecer até quarta-feira (12) na Repar estão canceladas.

 

Acidentes em série!

Desde quando começaram os cortes de postos de trabalho, há cerca de um mês, foram registrados vários acidentes. Na Replan (SP), a maior refinaria do país, onde a Petrobrás anunciou o corte de 54 trabalhadores das áreas operacionais, o desmonte já causou uma sequência de acidentes desde o último dia 22, quando houve uma explosão em um soprador do Setor de Destilaria. No final de semana, dois trabalhadores do Coque foram atingidos por um vazamento de nafta. Na Rlam (BA), que teve 63 postos de trabalho fechados, foram três acidentes em menos de três dias, sendo que duas ocorrências numa mesma unidade, onde um operador já havia sido queimado durante um vazamento. Na Reduc (RJ), dois trabalhadores foram intoxicados pelo vazamento de gás sulfídrico e quase morreram. Na noite do dia 05 de julho, enquanto acontecia audiência pública sobre os riscos da diminuição dos postos de trabalho na refinaria de Duque de Caxias, um incêndio atingia a U-1240. É a materialização do escárnio dos gestores com a situação de insegurança nas refinarias da Petrobrás.

 

Um fator que aumenta ainda mais os riscos nas refinarias é o corte nos investimentos na manutenção dos equipamentos. “Contratos de prestação de serviços nas áreas de manutenção das refinarias foram encerrados e houve consequentes demissões de terceirizados. A Petrobras se encontra em patamares semelhantes aos do início dos anos 2000, quando ocorreram graves acidentes, como o vazamento de quatro milhões de litros de petróleo nos rios Barigui e Iguaçu, aqui mesmo em Araucária, e o afundamento da Plataforma P-36. Estamos muito próximos de uma grande tragédia na Companhia”, alertou Dal Zot.

Segunda, 10 Julho 2017 18:41

Nº 1390

Sábado, 08 Julho 2017 21:35

 

O Sindipetro Paraná e Santa Catarina convoca todos(as) os(as) trabalhadore(as) da Usina do Xisto, em São Mateus do Sul, para uma assembleia geral extraordinária a ser realizada neste domingo (09), às 10h00, na Sede Regional Sindical (R. Paulino Vaz da Silva, 535).

 

Os assuntos em pauta são o debate e deliberação quanto à continuidade ou não de greve por tempo indeterminado e outras formas de mobilizações no caso de a empresa insistir na implantação da redução de postos de trabalho de forma unilateral nas unidades operacionais da Usina do Xisto.

 

O Edital de Convocação de Assembleia está disponível nos anexos abaixo.

Sábado, 01 Julho 2017 23:08

 

As assembleias realizadas na tarde deste sábado (01) na refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, e na Usina do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul, deliberaram pela suspensão da greve iniciada à zero hora de sexta-feira (30). O movimento acontece em âmbito nacional e protesta contra o corte de postos de trabalho nas unidades operacionais dos parques de refino da Petrobras.

 

A assembleia na SIX definiu que a suspensão da greve vai ocorrer na troca de turno das 23h30 deste sábado. Já na Repar foi estabelecido que o movimento será suspenso na segunda-feira (03), na rendição do turno das 15h30.

 

Cabe ressaltar que a greve não foi encerrada, apenas suspensa. O movimento pode ser retomado a qualquer momento, caso a empresa não reverta sua posição com relação ao número de postos de trabalho nas refinarias.

Sexta, 30 Junho 2017 18:40

Categoria protesta contra a redução de postos de trabalho nas unidades de refino da Petrobrás [Foto: Davi Macedo]

Segunda, 26 Junho 2017 20:14

 

 

Segurança industrial é um tema pra lá de sério. Envolve a vida de trabalhadores e com isso não se brinca, definitivamente. Todavia, a história que vamos contar aqui pode apresentar variações entre o esculacho e a anedota, pois quando alguém se presta a um papelão desses, fica difícil conter o riso diante do ridículo.

 

Nosso protagonista é o sargento. A breve biografia laboral do personagem mostra que atuou por cerca de 10 anos como gerente de manutenção na Usina do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul. Nesse tempo, aprontou umas do “arco da véia” com as normas e recomendações de segurança. Na lógica da “meritocracia inversa”, passou há pouco tempo para o cargo de gerente de Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) na Usina. Segura o riso ou a lágrima, ainda piora.

 

Entre os meses de maio e junho a SIX passou pela parada geral de manutenção de seu módulo industrial. Feliz, sargento começou logo com os dois pés no peito e meteu no primeiro dia uma PTT para se livrar da turma que zela pela segurança.

 

O serviço mais complexo e de difícil execução da manutenção da Usina foi no incinerador. A estrutura da parte de cima da chaminé de 100 metros estava corroída e foi necessário cortar 18 metros. Uma ação desse porte, com dezenas de toneladas de metal para remover, requereria uma série de ações de segurança e o cumprimento rígido das normas, mas não para o sargento. Ele tratou de montar um verdadeiro acampamento de guerra próximo ao incinerador. Instalou um container como se fosse uma espécie de QG e de lá mandava e desmandava na peãozada que estava lá no alto.

 

Para o sargento não tem tempo ruim. Chuva forte, raio e trovão? Moleza! Sobe lá e continua o serviço. As intempéries climáticas não causaram sequer receio no gerentão com a segurança dos trabalhadores da manutenção. Claro, no dos outros é refresco, diz a máxima popular.

 

Não se engane, leitor. Quem não teve que subir na chaminé também não teve vida fácil na parada. Lá embaixo, atolados no barro, trabalhadores viam cair pedaços da chaminé por todo lado. Contudo, uma coisa temos que reconhecer: o sargento é um cara de sorte. Mesmo com as ordens inconsequentes e expondo os trabalhadores a todos esses riscos, nada de grave ocorreu. Como não temos esperança de mudança na postura do gerente, a sorte deveria constar nas normas de segurança da Usina. Fica a dica para os mandatários da SIX. Como o Sindicato não concorda com nada disso, seguirá denunciando as atrocidades dos gestores aos órgãos competentes. E o recado é bem claro: tenham muita sorte, mesmo, pois se algum acidente mais grave acontecer, a reação será nas esferas cível e criminal.

 

Para encerrar, uma pergunta. Com os valores e normas de SMS construídos ao longo de anos de conscientização jogados no lixo durante a parada, qual será a validade de um DDS na SIX daqui para frente? 

Sexta, 23 Junho 2017 19:57

 

 Entre os dias 27 de junho e 05 de julho, o Sindipetro Paraná e Santa Catarina promove assembleias com os trabalhadores da Usina do Xisto, em São Mateus do Sul. O objetivo será debater e deliberar sobre o efetivo mínimo de empregados para cada setor.

 

A Petrobrás tem reduzido de forma unilateral os efetivos mínimos em todas as unidades de refino e o resultado das assembleias serão importantes para fazer o enfrentamento à medida que certamente também baterá à porta da SIX.

 

Confira o quadro das assembleias: 

 

BASE

LOCAL

DATA

HORÁRIO

UO-SIX

Grupo 5

Em frente à SIX

27/06/2017

15h30

Grupo 3

Em frente à SIX

28/06/2017

07h30

Grupo 1

Em frente à SIX

28/06/2017

15h30

Grupo 4 + ADM

Em frente à SIX

05/07/2017

07h30

Grupo 3

Em frente à SIX

05/07/2017

15h00

*O Edital de Convocação de Assembleia está disponível no link dos anexos abaixo.

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro